Federação Argentina não punirá Tévez por quebrar perna de rival

Atacante do Boca Juniors deu entrada violenta em Ezequiel Ham

EFE

22 de setembro de 2015 | 10h10

O presidente do Tribunal Disciplinar da Associação de Futebol Argentina (AFA), Fernando Mitjans, disse na segunda-feira que Carlitos Tévez, atacante do Boca Juniors, não será punido pela dura entrada que provocou uma fratura exposta no tornozelo de Ezequiel Ham, do Argentino Juniors, no último sábado.

"É a posição majoritária devido a uma jurisprudência dos últimos 20 anos. Não vamos punir Tévez, como não fazemos em nenhum caso parecido. A Fifa recomenda que, salvo em um caso grave com intencionalidade, como o de (Luis) Suárez com (Giorgio) Chiellini, não se deve punir. No caso de Tévez é difícil provar a má intenção", disse Mitjans em entrevista ao jornal esportivo argentino "Olé", fazendo referência à mordida dada pelo atacante uruguaio no zagueiro italiano durante a Copa do Mundo de 2014.

"Julgamos os times de modo igual, não olhamos para a camisa. Além disso, se fosse de outra forma, estaríamos todas as semanas suspendendo jogadores. A atuação no tribunal é uma janela que, se aberta, é difícil colocar limites porque os pedidos se propagariam", acrescentou o presidente.

 

Gracias Carlitos por venir.

Uma foto publicada por Ezequiel Ham (@turcoham) em

Durante a partida, Tévez foi disputar uma bola de forma firme com Ham, que sofreu uma fratura exposta no tornozelo no lance. O atacante da seleção argentina não foi expulso do jogo, vencido pelo Boca por 3 a 1.

Ham, de 21 anos, foi operado com sucesso no sábado e deve passar por uma segunda cirurgia na quarta-feira. Depois, passará por um período de recuperação de seis meses para se recuperar da lesão, informou José Artese, médico do Argentinos Juniors. O jogador ficou agradecido pela visita de Carlitos Tévez ao hosputal na segunda-feira.

"Fui na bola, não fiz de propósito. Depois disseram que eu tinha sido mal. Não quis isso. Nunca fiz mal a ninguém jogando futebol, é a primeira vez. Irei vê-lo e pedirei perdão, como deve ser feito", disse Tévez sobre a entrada após o fim da partida.

No entanto, o técnico do Argentino Juniors, Néstor Gorosito, afirmou que a intenção de Tévez foi acertar o adversário. "Que não se façam de vítimas. Agora não serve de nada uma ligação telefônica", afirmou Gorosito após o apito final.

Por outro lado, Reinaldo Lenis, atacante colombiano de Argentinos Juniors, também foi expulso na partida após acertar um soco no meia uruguaio Nicolás Lodeiro. O motivo da agressão, segundo o jogador, teria sido um insulto racista. "Lodeiro me chamou de 'negro de merda' e isso me tirou do sério. Durante a semana, pensarei se vou fazer uma denúncia por discriminação", disse Lenis. 

 


Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.