Federação carioca terá eleição no dia 31

As eleições para a presidência da Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro (Ferj) estão confirmadas para o dia 31 deste mês. Hoje, a juíza da 3º Vara Cívil, Maria Cristina Slaib, extinguiu o pedido do pré-candidato Paulo de Almeida para que a liminar que impediu o pleito, no dia 3 de julho, fosse estendida. Com isso, o caminho está livre para que Eduardo Viana seja reeleito para mais quatro anos no cargo. Viana apresentou um documento comprovando que a sua chapa está legal e que ele pode ser candidato à presidência. O auditor convocado para averiguar possíveis irregularidades no processo eleitoral, o advogado Luis Roberto Leven Siano, mostrou um extenso relatório, comprovando que Viana pode ser candidato. "Estou fazendo apenas uma recomendação para que sejam apresentados apenas os números mínimos de registros para que outras pessoas possam ter condições de se candidatar", disse Leven Siano. De acordo com o estatuto da Ferj, cada candidato precisa ter o apoio mínimo de três clubes da Primeira Divisão, da Segunda, da Terceira, das ligas e dos clubes amadores. Somente da Série A, Viana tinha sete. Para esta nova eleição, ele registrou o apoio de apenas três (Fluminense, Vasco e Olaria). Amanhã é o último dia para inscrições de candidatos à presidência da Ferj. E Viana acredita que será o único. "Ele (Paulo de Almeida) não tem o apoio de ninguém. Desafio ele a apresentar algum clube que o esteja apoiando", prosseguiu. "Está em moda isso agora. O Carlos Alberto (presidente da Federação de Futebol de Pernambuco) concorreu à eleição da CBF com apenas um voto." Para a eleição do dia 31, vale o colégio eleitoral publicado no edital de convocação do dia 17 deste mês. São 11 clubes da Primeira Divisão, 16 da Segunda, 24 da Terceira, 8 amadores e 64 ligas. Viana acredita que tenha mais de 90% de apoio para ser reeleito. Oposição - Paulo de Almeida alegou que ficou surpreso com a decisão da juíza em extinguir a liminar. "Estou pasmo. Analisamos os documentos fornecidos pela atual administração e constatamos irregularidades", afirmou Almeida, que vai conversar amanhã com seus advogados para decidir qual atitude tomar. "Não sei se serei candidato. Posso até entrar na Justiça novamente para não legitimar este caos que é a Ferj." Paulo Almeida acusa Viana de ter apoio de ligas fantasmas, clubes inexistentes, dentre outras irregularidades. "Veja o caso do Los Angeles e do Diana (dois clubes). Eles não têm ata de criação, sede, nem um documento sequer", disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.