Federação chilena pagará US$ 1 milhão por vaga na Copa

Valor será dividido entre os jogadores - proporcional às convocações - e a comissão técnica de Bielsa

EFE

12 de outubro de 2009 | 16h18

A federação chilena de futebol pagará um prêmio de US$ 1 milhão (R$ 1,7 milhão) pela vaga na Copa do Mundo de 2010, quantia a ser dividida entre jogadores e a comissão técnica comandada pelo argentino Marcelo Bielsa.

Veja também:

especialMAPA - Os países que já garantiram vaga na Copa

Eliminatórias da Copa - tabela Classificação | lista Tabela 

especial ELIMINATÓRIAS - Mais no canal especial

especial Dê seu palpite no Bolão Vip do Limão

O valor será proporcional ao número de convocações. Até agora a federação já pagou mais de US$ 3 milhões (R$ 5,2 milhões) durante a campanha nas Eliminatórias - a vitória de 4 a 2 sobre a Colômbia do último sábado, que selou a vaga, rendeu US$ 15 mil  (R$ 26,1 mil) para cada um.

Os que mais ganharam são Claudio Bravo, Waldo Ponce, Humberto Suazo, Ismael Fuentes e Fabián Orellana, chamados para todos os jogos.

Segundo uma análise do site do jornal La Tercera, o retorno da seleção chilena a uma Copa não só renderá prestígio, mas novas oportunidades profissionais e financeiras aos jogadores.

O ousado projeto para levar o país de volta a um Mundial - o último foi o de 1998, na França - rendeu US$ 40 milhões (cerca de R$ 70 milhões em valores atuais) à federação.

Deste total, US$ 16 milhões (R$ 28 milhões) são do canal local que passou os jogos. Só em arrecadação de bilheteria foram outros US$ 9 milhões (R$ 15,7 milhões).

A federação também ganhou dinheiro com amistosos disputados fora do Chile e levará mais US$ 5 milhões (R$ 8,7 milhões) da Fifa por estar classificada à Copa.

A comissão técnica de Bielsa, apontada como responsável pela classificação do Chile, custa US$ 1,8 milhões (R$ 3,1 milhões) por ano à federação - o que compensa o investimento.

Apesar do clima de festa, a Polícia de Santiago promete forte esquema de segurança para o jogo de quarta com o Equador, no Estádio Monumental.

Os portões abrirão cedo, e quatro cordões de segurança estarão montados para revistar torcedores. Detectores de metal e máquinas de raios X também serão disponibilizados, para evitar a entrada de objetos perigosos e ingressos falsos.

A expectativa é de lotação esgotada, com 47 mil ingressos vendidos. A Polícia tinha sido elogiada pelo desempenho no último sábado, quando milhares de torcedores saíram às ruas para comemorar a classificação após o histórico triunfo sobre a Colômbia em Medellín.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.