Federação espanhola apoia permanência de Del Bosque

A Real Federação Espanhola de Futebol (RFEF) manifestou nesta sexta-feira seu apoio ao técnico da seleção, Vicente del Bosque, mesmo depois da vexatória eliminação dos atuais campeões mundiais na Copa. Apesar dos rumores, a entidade garantiu que o treinador será mantido no cargo depois do fim da competição no Brasil.

AE-AP, Agência Estado

20 de junho de 2014 | 09h44

"Se ele quiser ir, vamos tentar persuadi-lo a ficar. Ele é o homem ideal para liderar a transição que precisamos na seleção", declarou o diretor Jorge Perez à Rádio Cope, da Espanha. "Desde o topo até a base da federação, nós estamos com Del Bosque. Se temos o melhor, para que mudar?", comentou.

Se era inquestionável até o início da Copa do Mundo, Del Bosque passou a ser muito criticado pelo fracasso histórico da seleção. As derrotas por 5 a 1 diante da Holanda e 2 a 0 contra o Chile fizeram com que a capacidade de renovação do treinador, a convocação e a armação do time durante o Mundial fossem colocadas em dúvida.

O próprio Del Bosque reconheceu sua parcela de culpa pelo inesperado péssimo desempenho espanhol e chegou a dizer que repensaria sua continuidade no comando da seleção. A família do treinador estaria fazendo pressão para que ele deixasse o cargo. Nem isso, no entanto, desanima Jorge Perez.

"Del Bosque não apresentou um pedido de rescisão e se fizesse nós tentaríamos convencê-lo a continuar", garantiu o dirigente. "A família dele pode convencê-lo a não continuar, mas não vamos encontrar ninguém melhor."

Del Bosque tem contrato até 2016 e liderou a Espanha aos títulos da Copa de 2010 e da Eurocopa de 2012. Até pelo seu histórico vitorioso, o treinador tem grande prestígio com a RFEF. "É melhor deixar algum tempo passar para discutirmos melhor em Madri. Quando Del Bosque assinou o contrato ele disse que se por algum motivo nós não quiséssemos que ele ficasse, ele sairia."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.