Gonzalo Fuentes/Reuters
Gonzalo Fuentes/Reuters

Federação francesa abre investigação sobre racismo do PSG nas categorias de base

Clube admitiu que diretor dividia atletas de acordo com origem étnica entre 2013 e 2018

Estadão Conteúdo

09 Novembro 2018 | 11h34

A Federação Francesa de Futebol (FFF) anunciou nesta sexta-feira que abriu um inquérito para investigar os casos de racismo praticados pelo Paris Saint-Germain. Na última quinta, o clube foi denunciado por promover discriminação no recrutamento de jovens jogadores para suas categorias de base nos últimos anos.

A entidade informou que seu conselho ético será o responsável pela investigação, e que poderá pedir para que a comissão disciplinar da Liga Francesa também averigue o caso depois que o inquérito terminar.

A denúncia partiu do portal francês Mediapart. De acordo com o veículo, documentos divulgados pelo "Football Leaks", portal responsável pelo vazamento de informações confidenciais, mostraram que a equipe parisiense possuía um método de classificação de atletas a serem recrutados com base nas suas etnias.

O portal afirmou que o PSG separava os possíveis atletas a serem recrutados pelos seus observadores em quatro subgrupos: "francês", "norte-africano", "das Antilhas" e "negro africano". E sob essa política, comandada pelo dirigente Marc Westerlopp - chefe do recrutamento de atletas das categorias de base -, apenas um atleta negro foi contratado entre os anos de 2013 e 2018.

Yann Gboho, meio-campista de 17 anos que hoje está no Rennes, chegou a integrar a base do Paris Saint-Germain, mas foi dispensado aos 13 anos por causa de sua cor - ele nasceu na Costa do Marfim. Na época, a dispensa do atleta foi encoberta pela diretoria do clube "para evitar escândalos".

O PSG soltou uma nota admitindo que praticou discriminação racial nas categorias de base. Disse, no entanto, não ter conhecimento de um sistema formado para registrar etnicamente os jogadores, creditando-o apenas a uma ação individual do dirigente em questão.

O caso repercutiu bastante na França, e a ministra do Esporte, Roxana Maracineanu, chegou a manifestar seu "desalento" diante das acusações. Já a presidente da Liga Francesa, Nathalie Boy de la Tour, afirmou que "estas práticas são inaceitáveis".

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.