STR/EFE
STR/EFE

Federação Grega suspende campeonato local após dono do PAOK invadir campo armado

Ivan Savidis invadiu o campo armado no duelo contra o AEK, no domingo

Estadao Conteudo

12 Março 2018 | 11h30

A Federação Grega de Futebol decidiu nesta segunda-feira suspender o campeonato nacional por tempo indeterminado depois que o presidente do PAOK, Ivan Savidis, invadiu o campo armado no duelo contra o AEK, no domingo.

+ Presidente de clube tem prisão decretada por invadir campo armado

A atitude do magnata russo indignou o mundo esportivo e a entidade máxima do futebol grego informou que só reiniciará a competição após a definição de qual atitude tomar com o dirigente. A polícia grega emitiu ordem de prisão contra Savidis e seus seguranças, que o acompanharam na invasão.

"O governo tem lutado durante os últimos três anos para a organização do futebol grego. Conseguimos muitas coisas, mas há muito mais o que fazer. Não permitiremos que se regrida", afirmou o ministro da Cultura e do Esporte, Georgios Vassiliadis.

Há dois anos, o Campeonato Grego também precisou ser interrompido por conta de uma briga entre torcedores do Panthinaikos e do Olympiacos. O confronto impediu a realização do duelo.

No domingo, a confusão aconteceu após a anulação de um gol do PAOK, aos 45 minutos do segundo tempo. A partida até então estava empatada em 0 a 0. O árbitro chegou a validar o gol, mas depois voltou atrás e alegou impedimento.

Savvidis invadiu o campo por duas vezes acompanhado por seguranças. Na segunda ocasião, como o empresário tirou o casaco que usava na primeira vez, foi possível ver que ele estava com uma pistola. Em nenhum momento Savvidis fez qualquer movimento que indicasse que ele iria usar a arma.

O árbitro então teria validado o gol novamente e depois suspendido a partida. Antes do início do jogo, o AEK liderava a competição, com cinco pontos de vantagem para o PAOK. O relatório do árbitro sobre o jogo ainda não foi divulgado.

Tatyana Gordina, vice-presidente do Agrocom Group, empresa controlada pelo magnata russo, saiu em defesa do chefe. "Não houve ameaça feitas pelo Ivan Savvidis, especialmente não envolveu o uso da arma durante o jogo de ontem (domingo)", disse.

"Houve um ímpeto emocional que causou a invasão do campo, o que não é permitido pelas regras do esporte, mas nada além disso. As manchetes dos jornais gregos estão exagerando os fatos", prosseguiu.

CRÍTICAS DA FIFA

Em comunicado, a entidade máxima do futebol condenou a atitude do mandatário do PAOK. "Em primeiro lugar, a Fifa condena essa atitude. Como o incidente aconteceu dentro de Umma competição nacional, qualquer medida disciplinas e eventuais punições devem seguir as regras da Federação Grega."

A Uefa se pronunciou da mesma maneira. O ministro do Esporte grego informou que estaria em contato com dirigentes da Uefa para buscar soluções para o problema.

Mais conteúdo sobre:
futebol Campeonato Grego de Futebol

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.