Dylan Martinez/Reuters
Dylan Martinez/Reuters

Federação inglesa indica que quer renovar com Gareth Southgate até 2022

Técnico teve boa campanha na Copa do Mundo da Rússia, levando o time ao quarto lugar

Estadão Conteúdo

02 Agosto 2018 | 12h01

O bom trabalho de Gareth Southgate na Copa do Mundo da Rússia - levou a Inglaterra ao quarto lugar, posição que não era obtida pelo país desde o Mundial de 1990 - vai ter continuação na seleção por muito mais tempo que o já acertado. É isso o que quer o presidente da Associação de Futebol da Inglaterra (FA, na sigla em inglês), Martin Gleen, em entrevista à TV Sky Sports nesta quinta-feira.

+ Quarta colocada na Copa, Inglaterra desembarca em Birminghan sem festa

+ Kane termina como artilheiro da Copa do Mundo e repete feito de Lineker

+ LOTHAR MATTHAUS - Futuro do futebol: França e Inglaterra

"Gareth foi excelente e nós gostaríamos muito que fique até muito mais que 2020", disse o mandatário inglês, pensando na continuação do trabalho de Southgate até a disputa da Copa do Mundo de 2022, que será realizada no Catar.

O contrato do treinador, assinado em novembro de 2016 para substituir Sam Allardyce, vai até a disputa da Eurocopa daqui dois anos - a fase final acontecerá em vários países e as semifinais e finais serão jogadas no estádio de Wembley, em Londres.

"Penso que ambos queremos isso, mas agora ele está de férias. Vamos definir isso quando regressar a Londres", completou Martin Gleen. "Ele construir um trabalho que podemos dar sequência e está motivado, assim como (seu auxiliar) Steve Holland. Uma das coisas mais fortes que ele disse depois da derrota para a Croácia (nas semifinais da Copa do Mundo) foi que o trabalho não foi finalizado".

Com 47 anos, Gareth Southgate atuou pela seleção inglesa como volante nos anos 90 - ficou famoso por perder uma cobrança na disputa de pênaltis contra a Alemanha, nas semifinais da Eurocopa de 1996, na Inglaterra. Como treinador, já dirigiu o Middlesbrough e o time sub-21 inglês.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.