Federação inglesa oferece provas de corrupção à Fifa

FA se comprometeu a fornecer à entidade dossiê que comprove pedidos de favores de dirigentes

EFE,

12 de maio de 2011 | 12h03

LONDRES - O presidente da Federação de Futebol inglesa (FA), David Bernstein, ofereceu ajuda e comprometeu-se com a Fifa nas investigações que serão iniciadas em breve sobre as acusações de corrupção contra alguns membros de seu comitê executivo.

 

"Posso confirmar que recebi uma carta de Jérôme Valcke (secretário-geral da Fifa), a qual já respondemos e reiteramos nosso compromisso de apoio à investigação. Vamos cooperar completamente", explicou Bernstein na quarta-feira à noite, após conhecer o pedido de Joseph Blatter, presidente da Fifa, sobre as evidências que provem possíveis subornos.

 

A FA garantiu que enviará um dossiê completo com os relatórios e as conclusões expostas na terça-feira em uma comissão parlamentar do Departamento de Cultura, Meios de Comunicação e Esporte na Câmara Baixa britânica e garantiu que enviará o restante o mais rápido possível, assim que tenham sido elaborados.

 

O ex-presidente da FA e da candidatura da Inglaterra à Copa do Mundo de 2018, Lorde Triesman, denunciou na terça-feira nessa comissão os pedidos de favor feitos por Jack Warner, um dos vice-presidentes da Fifa, ao paraguaio Nicolas Leoz, presidente da Conmebol, a Ricardo Teixeira, o presidente da CBF, e ao tailandês Worawi Makudi.

 

Na mesma sessão parlamentar, o deputado Damian Collins expôs o relatório apresentado pelo jornal Sunday Times sobre uma investigação que aponta o camaronês Issa Hayatou e o marfinense Jacques Anouma, membros da Fifa, como beneficiados pelo pagamento de 1,5 milhão de euros antes da eleição das sedes para as Copas do Mundo de 2018 e de 2022, realizada em 2 de dezembro.

 

Como resposta às acusações, a Fifa pediu na quarta-feira explicações à Federação Inglesa (FA) pelas declarações de seu ex-presidente, David Triesman, na Câmara dos Comuns (Câmara Baixa britânica).

 

Segundo informou a Fifa, seu secretário-geral, Jérôme Valcke, enviou nesta quinta-feira uma carta ao presidente da FA, David Bernstein, na qual pede um relatório completo sobre os comentários feitos por Triesman e toda a documentação que disponha relativa ao caso, como gravações.

 

David Bernstein se mostrou disposto a facilitar qualquer informação que tenha para avançar nessa investigação.

 

Bernstein assumiu o cargo de presidente da entidade inglesa em janeiro, após vencer David Dein, ex-vice-presidente do Arsenal, e substituiu Triesman, que renunciou em maio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.