Federação italiana critica insinuação de fraude

O político italiano Umberto Bossi, fundador e líder do movimento político Liga Norte, foi alvo de uma forte repreensão da federação nacional de futebol por conta de uma afirmação sua de que a Itália poderia "comprar" uma vitória na partida de quinta-feira contra a Eslováquia, válida pela última rodada do Grupo F da Copa do Mundo da África do Sul.

AE-AP, Agência Estado

23 de junho de 2010 | 08h43

Atual campeã mundial, a Itália empatou nos seus dois primeiros jogos com Paraguai e Nova Zelândia, ambos por 1 a 1, e precisa de uma vitória sobre os eslovacos para não depender de outros resultados para avançar às oitavas de final da Copa da África do Sul.

Ex-ministro da Reforma e senador, Bossi disse que dois ou três jogadores eslovacos iriam jogar no futebol italiano na próxima temporada, ao responder uma pergunta sobre qual seleção italiana iria vencer a partida de quinta-feira. A Federação Italiana de Futebol classificou as observações de Bossi como "ofensivas".

Tudo o que sabemos sobre:
Copa 2010futebolItáliaUmberto Bossi

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.