Marcio Cunha/ Chapecoense
Marcio Cunha/ Chapecoense

Federação negocia com governo de Santa Catarina para retomar o Estadual em maio

Ideia é que os jogos voltem a ser realizados dia 9 de maio sem a presença de torcedores

Redação, O Estado de S.Paulo

13 de abril de 2020 | 13h00

A Federação Catarinense de Futebol (FCF) planeja retomar o Campeonato Catarinense em 9 de maio. O presidente Rubens Angelotti tentará a liberação junto ao Governo de Santa Catarina para dar início ao mata-mata, mesmo com os portões fechados, uma vez que a quarentena no Estado foi estendida até o dia 31 do próximo mês.

"Vamos encaminhar um ofício para o governador (Carlos Moisés) para tentar liberar o campeonato sem público nos estádios. Dependemos do Sindicato dos atletas, uma autorização deles também. Vamos encaminhar ofício nesta semana. Esperamos que os clubes voltem aos treinos no dia 20 de abril (21, na verdade, quando o período das férias for encerrado), com uma pré-temporada até o dia 9 de maio, quando os jogos voltariam a ser realizados", disse Angelotti à rádio Som Maior.

O Campeonato Catarinense foi paralisado após as partidas da última rodada em 15 de março. Avaí, Brusque, Figueirense, Marcílio Dias, Criciúma, Juventus, Joinville e Chapecoense se garantiram nas quartas de final, enquanto Concórdia e Tubarão iriam se enfrentar para definir o clube rebaixado. "Para isso precisamos da concordância de todos os clubes e presidentes. Era hora de os clubes engordarem seus caixas e a federação também que vive dessas bilheterias. Mas temos de tentar liberar, vamos trabalhar em cima disso para tentar terminar até o fim de maio", analisou o presidente.

Se o governador liberar e os clubes e o Sindicato dos Atletas aceitarem, a FCF pretende fazer testes contra a covid-19 e também limitar o número de pessoas por jogo. "Temos de dar condições aos atletas jogarem em segurança. Vamos tentar fazer com toda a segurança, não dá para dizer que não há risco. Se conseguir testes rápidos, faríamos um dia antes do jogo. Vamos limitar o mínimo possível de pessoas trabalhando no dia. Não queremos colocar ninguém em risco. É uma situação complicada, mas se conseguirmos vamos fazer com toda a segurança", explicou.

Outro problema a ser resolvido antes de a bola voltar a rolar será em relação ao tempo de contrato dos jogadores. Muitos clubes fizeram compromissos até o fim de abril, quando o Estadual seria encerrado. "Teriam de fazer uma prorrogação até o término de maio para acabar o campeonato. É uma série de questões que precisamos sentar e conversar. Vamos encaminhar esse ofício ao governo e semana que vem reunir os clubes em videoconferência. O prejuízo será para todos, não podemos marcar jogo sem a segurança para todos. Estamos passando por uma experiência inédita e precisamos estudar muito o que fazer", finalizou Angelotti.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.