JF Diorio/ Estadão
JF Diorio/ Estadão

Federação não aceita explicação e Amarilla continua suspenso

Associação Paraguaia rejeita carta enviada por Abel Gneco

Estadão Conteúdo

27 de junho de 2015 | 12h00

A presidência da Associação Paraguaia de Futebol (APF) emitiu nota oficial na manhã deste sábado para responder a uma carta remetida a ela por Abel Gneco, membro da comissão de árbitros da Conmebol. Alejandro Domínguez escreve que não aceita as explicações de Gneco e não confia nem nele nem em Carlos Alarcón, presidente da comissão. Assim, a punição ao árbitro Carlos Amarilla foi mantida. 

"Devo dizer que, com relação às circunstâncias não explicadas sobre a conversa entre você (Gneco) e o senhor Julio Grondona, a AFP considera necessário retirar toda a confiança em você e no senhor Carlos Alarcón. A explicação que você coloca na sua carta é totalmente insatisfatória. Do nosso ponto de vista, a atitude mais decorosa teria sido de imediato colocar seu cargo à disposição da Conmebol", opinou o presidente da APF.

A entidade paraguaia diz que não aceitará "a menor irregularidade", especialmente no que se refere à arbitragem de partida. "Apostaremos de forma invariável na transparência absoluta na gestão do futebol continental", escreveu Domínguez.

No domingo, o canal TV América, da Argentina, revelou gravações entre o ex-presidente da Federação Argentina de Futebol (AFA) Julio Grondona, morto em 2014, e Gneco diretor da Escola de Árbitros da AFA e representante da entidade na Comissão de Arbitragem da Conmebol, que comprometem a atuação do árbitro no jogo entre Corinthians e Boca Juniors, pela semifinal da Copa Libertadores de 2013. Na conversa, Gneco diz que pressionou Carlos Alarcón, diretor da comissão, a escalar Amarilla.

A Comissão de Árbitros da Associação Paraguaia de Futebol emitiu um comunicado na segunda-feira e anunciou que decidiu afastar Amarilla e o auxiliar Rodney Aquino dos próximos jogos do campeonato local.

Antes de ser afastado, Amarilla defendeu que sejam investigadas as declarações de Grondona e afirmou que é inocente. "Quero que se abra uma investigação, isso é o que eu mais quero. Quem não deve não teme. No mundo dos árbitros não existe corrupção. Só somos os irmãos pobres do futebol. Trabalhamos com o coração e querem nos envolver. Em 27 anos de carreira, ninguém pode me apontar o dedo", disse o árbitro, em entrevista à Rádio AM970, do Paraguai.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.