Guadelupe Pardo/Reuters
Guadelupe Pardo/Reuters

Federação Peruana lamenta ampliação de pena a Guerrero: 'Fará falta na Rússia'

Atacante do Flamengo teve sanção original aumentada para 14 meses e não poderá disputar a Copa do Mundo

Estadão Conteúdo

14 Maio 2018 | 17h50

A Federação Peruana de Futebol emitiu nesta segunda-feira comunicado para lamentar a ampliação da pena do centroavante Paolo Guerrero imposta pela Corte Arbitral do Esporte (CAS, na sigla em inglês). O jogador recebeu gancho de 14 meses no total e com isso não poderá defender seu país na Copa do Mundo da Rússia.

+ Com Taison e Geromel, Tite convoca lista final da Copa do Mundo da Rússia

+ Raio-X -  Conheça as seleções da Copa da Rússia

+ Confira tabela da Copa do Mundo da Rússia

+ O Estadão mostra os grandes craques que vão disputar a Copa do Mundo

A entidade afirmou que o jogador "sempre mostrou um comportamento exemplar" e também aproveitou para valorizar o restante do elenco. "O Paolo nos fará falta na Rússia, mas estamos convencidos de que a equipe formada, cheia de coragem e determinação, deixará o nome do Peru em alta. Nenhuma adversidade, por mais difícil que seja, como nossa seleção mostrou, vai nos parar".

Guerrero já cumpriu seis meses de suspensão. Com isso, só deverá voltar a campo em oito meses, em 2019. A CAS alegou que Paolo Guerrero ingeriu chá de coca sem a intenção de se beneficiar, mas justificou a punição pela negligência do peruano.

O jogador testou positivo para uso de benzoilecgonina em exame realizado depois do empate por 0 a 0 entre Argentina e Peru, em Buenos Aires, pela penúltima rodada das Eliminatórias Sul-Americanas para a Copa da Rússia de 2018, no dia 5 de outubro.

Por conta da punição, Guerrero ficou impedido de defender a seleção peruana nas duas partidas da repescagem do Mundial de 2018, diante da Nova Zelândia. Mesmo assim, o país garantiu vaga na competição, que marcaria a primeira Copa do atacante.

Em dezembro, a Fifa aceitou a defesa de Guerrero de que o atacante tinha ingerido um chá contendo a substância presente na cocaína. Para a Fifa, o atacante foi negligente ao violar a regra antidoping e, portanto, aplicou seis meses de suspensão levando em consideração que a sanção mínima seria de um ano se não tivesse tido negligência.

A Agência Mundial Antidoping, no entanto, entrou com um recurso na CAS e solicitou que a decisão da Fifa fosse anulada e Guerrero suspenso por um período entre um e dois anos, de preferência por 22 meses. Dois procedimentos de arbitragem foram registrados pelo máximo tribunal esportivo mundial, que realizou uma audiência em sua sede, em Lausanne, na Suíça, no último dia 3. Nesta segunda-feira, a CAS anunciou a decisão que tira o centroavante da Copa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.