Federação privilegia Mancha Alviverde

A torcida Mancha Alviverde pagará R$ 10 pelo ingresso para a primeira partida da fase semifinal do Campeonato Paulista, neste sábado, às 16h, contra o Paulista, no Parque Antártica. O privilégio foi concedido pela Federação Paulista de Futebol, como forma de agradecimento pelo fato de a diretoria da facção organizada ter entregue o cadastro de todos os sócios ao Ministério Público e Polícia Militar - mais de 9.800 nomes.Além do ingresso mais barato, os torcedores da organizada poderão entrar no estádio com a camisa da agremiação, faixas, bandeiras (sem mastro) e instrumentos da bateria.Nesta quinta-feira, em reunião na sede da FPF, o promotor Fernando Capez comemorou a atitude da torcida. "Espero que esse dia seja o marco para o início da colaboração das torcidas. A Mancha não tinha a obrigação de entregar, mas se mostrou disposta a ajudar a PM. Um dia, as torcidas deixarão de ser chamadas de organizadas e sim de cadastradas", garantiu.Para o jogo de sábado, a Mancha Alviverde solicitou, por enquanto, 1.500 bilhetes. Ao invés de ficar localizada no centro da arquibancada do Estádio Palestra Itália, os torcedores serão acomodados atrás do gol. Além disso, a PM receberá uma lista com a ficha completa de todos os torcedores que ficarão neste setor.Dependendo da procura, pode ser que solicitem mais bilhetes. "Vamos esperar até amanhã (sexta-feira) ao meio-dia para ver se será necessária outra carga de ingressos", explica Paulo Serdan, presidente de honra da Mancha Alviverde. "Foi muito bom essa nova gestão da FPF ter aberto espaço para conversarmos sobre esses problemas. Para nós, torcedores, que somos de camadas baixas, o que vale é a palavra do responsável de cada órgão do que qualquer papel assinado." Para não perder a regalia, a diretoria da organizada estuda a possibilidade de produzir uma cartilha de bom comportamento a ser distribuída entre os torcedores, antes de qualquer jogo. Qualquer deslize pode obrigar o Ministério Público e a Polícia Militar a fecharem o cerco. "Eles sabem que não podem cantar nenhum hino de guerra contra outras torcidas, porque depois eles ficam sem poder entrar com instrumentos no estádio durante um mês. E isso é tudo o que eles não querem, já que a bateria é o coração de tudo", afirma o coronel Marinho, responsável pela segurança em dias de jogos.Capez ainda aguarda o cadastro da Gaviões da Fiel e Torcida Jovem, obrigadas pela Justiça a entregar a lista dos sócios. Se não cumprirem o prazo de 15 dias, serão multadas em R$ 10 mil por dia de atraso.

Agencia Estado,

25 de março de 2004 | 18h55

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.