Felipão admite contatos, mas nega o convite da Inglaterra

O técnico brasileiro da seleção portuguesa, Luiz Felipe Scolari, admitiu nesta sexta-feira que teve contatos com a Federação Inglesa de Futebol. Em tom de desabafo, Felipão queixou-se da forma como tem sido tratado em Portugal desde que surgiram informações de que estava sendo sondado pelos ingleses."Antes de começar uma nova época, os treinadores não mudam? Mudam. E os que nascem em Portugal também fazem isso. Então essa hipocrisia de que quem nasceu aqui é santo e quem nasceu no outro lado do Atlântico é diabo não existe", disse o treinador. "É para parar com essa palhaçada. Eu sou igual aos outros. Tenho uma cabeça, dois braços e duas pernas igual aos outros". Ele falou à rádio portuguesa TSF antes de embarcar para a Alemanha, nesta sexta, onde vai inspecionar o hotel que a seleção portuguesa vai ficar concentrada durante a Copa do Mundo.Scolari queixou-se de que não tenham sido iniciados contatos para a renovação do contrato em Portugal e de que o presidente da Federação Portuguesa de Futebol, Gilberto Madail, tenha afirmado que antes de renovar queria ver o rendimento do time na Copa do Mundo, apesar de Felipão ter acumulado recordes na seleção portuguesa."Os resultados que a seleção tem desde 2003 são os melhores da história. Foi vice (na Eurocopa), e nunca antes tinha sido vice. Foi campeão da classificação (para a Copa do Mundo) e nunca tinha sido com antecipação. Tem 12 a 13 jogos sem perder e nunca tinha ficado tanto tempo sem perder", afirmou Felipão. "Se com tudo isso eu ainda tenho que passar por uma prova dos noves, eu tenho que pensar bem".O presidente da Federação Portuguesa de Futebol afirmou que vai manter o calendário previsto. Ele tinha afirmado que começaria as negociações com Scolari durante a Copa. "A Federação sempre teve por hábito fazer contratos de dois anos. A única vez que eu fiz contrato de quatro anos correu mal. Há um tempo para tudo. Não há ninguém que vá pressionar o nosso tempo", disse Madail.Nos jornais esportivos portugueses, as opiniões são, em geral, favoráveis a Scolari. O jornal O Jogo diz, em editorial, que quem ataca Felipão por negociar um contrato com os ingleses é "de uma hipocrisia elevada à quinta potência". No diário A Bola, o editorial afirma que "Scolari tem o direito de negociar com quem quiser e como quiser os seus contratos". No entanto, ressalva que o treinador não pode "recusar qualquer explicação aos jornalistas portugueses".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.