André Dusek/Estadão
André Dusek/Estadão

Felipão ainda não dá pistas sobre o time

Seleção brasileira enfrenta a Coreia do Sul no próximo sábado

O Estado de S. Paulo

10 de outubro de 2013 | 07h30

SEUL - A seleção brasileira fez ontem o seu primeiro treino com bola na Coreia do Sul, mas Felipão não deu nenhuma pista sobre a formação que pretende colocar em campo no amistoso de sábado contra os donos da casa. O treinador montou três times, com titulares e reservas misturados, e orientou um trabalho técnico e tático. As opções para o sistema a ser utilizado na partida de sábado são as seguintes: três volantes e três atacantes; três volantes, um meia e dois atacantes; dois volantes, dois meias e dois atacantes.

No melhor momento da segunda “era Felipão” o Brasil jogou com dois volantes (Luiz Gustavo e Paulinho), um meia (Oscar) e três atacantes (Hulk, Fred e Neymar). Foi com esse desenho que o time conquistou a Copa das Confederações com cinco vitórias em cinco partidas, entre elas a categórica por 3 a 0 sobre a badalada Espanha na final. A convicção de que essa era a melhor formação foi abalada nos amistosos de setembro contra Austrália (vitória por 6 a 0 em Brasília) e Portugal (triunfo por 3 a 1 em Boston, nos Estados Unidos).

Como Oscar estava machucado, Felipão montou o time que enfrentou a Austrália com Ramires em seu lugar. E o volante do Chelsea aproveitou bem a oportunidade: fez gol, ajudou no combate e mostrou-se uma ótima opção para saídas em velocidade - principalmente pelo lado direito. Hulk, machucado, foi substituído por Bernard - que jogou aberto pelo lado direito como o atacante do Zenit (Rússia). Na partida contra os portugueses, Oscar já estava recuperado, mas Felipão preferiu não mexer na equipe. O meia entrou no segundo tempo em lugar de Ramires, e teve bom desempenho. No Chelsea, Ramires e Oscar têm feito boas partidas neste início de temporada - o que acirra ainda mais a disputa entre eles por uma vaga no time de Felipão.

AO LADO DO INIMIGO

O treino de ontem deveria ter sido realizado perto do estádio que será palco da partida de sábado, mas foi transferido para um complexo esportivo que pertence à Federação Sul-Coreana de Futebol na cidade de Paju, que fica a uma hora de distância de Seul. O motivo para a mudança é que os campos estavam em melhores condições. A seleção da casa treinou no mesmo lugar e no mesmo horário, e os campos usados pelas duas equipes eram separados apenas por uma fileira de árvores. O treino de hoje deverá ser no mesmo local.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.