Felipão ataca juiz, mas diz que vitória francesa foi merecida

Indignado com a performance do juiz uruguaio Jorge Larrionda na derrota por 1 a 0 diante da França, nesta quarta-feira, o treinador da seleção de Portugal, o brasileiro Luiz Felipe Scolari, reclamou muito após o apito final. O resultado deixou os lusitanos fora da decisão do Mundial da Alemanha. "Se existe uma vergonha para a América do Sul, foi o que aconteceu hoje. Ele (Larrionda) é um excelente árbitro, sabe fazer direitinho o que quer fazer. É a arbitragem sul-americana que conhecemos muito bem. Sabe matar o jogo, mas fazer o quê?", desabafou o comandante gaúcho. Ele, no entanto, reconheceu que houve pênalti sobre o atacante francês Thierry Henry. "Foi pênalti mesmo, não tem o que questionar. Mas ele também não deu um pênalti claro sobre o Cristiano Ronaldo (no final do primeiro tempo)". Apesar das reclamações, Felipão elogiou a vitória dos "Bleus". "Portugal era o patinho feio. Fizemos força para permanecer na competição, vínhamos conseguindo fazer um gol por jogo para seguir em frente. Hoje esse gol não saiu. Mérito da França. Eles ganharam com justiça e souberam usar as armas que tinham. Por isso que eles vão para a final e nós não". Ele também enalteceu o espírito de luta do time português. "Mesmo assim, não podemos ter vergonha por termos sido eliminados. Isso (chegar às semifinais) é maravilhoso para Portugal, pois há 40 anos não chegamos entre os quatro primeiros da Copa. Estou orgulhoso de pertencer a esse grupo", acrescentou. Felipão não quis comentar sobre o seu futuro na seleção de Portugal - foi especulado que ele havia renovado por mais dois anos antes do confronto com a Inglaterra, pelas quartas-de-final. "Não tenho nada definido. Meu contrato vai até 31 de julho. Vou pensar no assunto junto com o presidente (da Federação Portuguesa de Futebol, Gilberto Madaíl). Não é tempo certo para falar sobre isso", concluiu. Com a derrota, Portugal disputará o terceiro lugar do Mundial contra a Alemanha, neste sábado, às 16 horas (de Brasília), em Stuttgart. Somado a isso, Felipão deu adeus à invencibilidade de 19 jogos no comando da equipe lusitana. "Temos que assimilar essa derrota e lutarmos pelo terceiro lugar. Teremos um dia a menos de descanso do que eles." No final, Luiz Felipe Scolari atacou o treinador francês Raymond Domenech. "Ele disse palavras para os meus jogadores e ao país (Portugal) que não se pode dizer aqui. Ele não agiu de maneira correta", atacou o treinador brasileiro.

Agencia Estado,

05 Julho 2006 | 18h54

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.