Felipão chora ao deixar hotel em Cali

O espírito de tristeza e abatimento com que a seleção brasileira deixou Cali e chegou a São Paulo foi revelado por uma mensagem que Luiz Felipe Scolari e toda a comissão técnica passaram aos jogadores, poucos minutos antes de a delegação deixar a Casa del Alferez, ainda na Colômbia, na noite desta terça-feira. A Agência Estado teve acesso à sala em que o grupo se reuniu para a última conversa. "O momento requer coragem para enfrentar o desconhecido que lhe alenta com uma nova chance. Encare, e o passado que fique no seu lugar." A frase foi escrita numa lousa e deixada para que todos os jogadores a vissem antes de pegar o ônibus para seguir até o aeroporto de Cali.Até Felipão, que tem a fama de durão, não conseguiu conter a emoção. Quando se despediu dos funcionários do hotel, chegou a chorar. Seus olhos estavam vermelhos. Sentiu a pressão e o peso do fracasso. Ele sempre gostou de trabalhar com o lado psicológico do jogador. E provou isso mais uma vez durante a Copa América. Na sala de reuniões, deixou na lousa o seguinte dizer para que os atletas vissem diariamente: "Incentivar um companheiro em campo é tão importante quanto fazer um gol ou defender um pênalti".PREJUÍZO - A eliminação precoce da seleção no torneio deu um prejuízo de cerca de US$ 10 mil ao Hotel del Alferez. A CBF havia reservado os 60 apartamentos até o dia 29 de julho, mas fez um acordo com a gerência para que não precisasse pagar o valor integral em caso de desclassificação. Assim, o hotel deixou de ganhar o dinheiro dos últimos dias e ainda perdeu clientes. Hoje, havia apenas quatro pessoas hospedadas. A média de ocupação é, durante o ano, de 60%. O gerente, Max Stroh, elogiou o comportamento dos jogadores brasileiros e de toda a comissão técnica. "Os mais simpáticos eram o Denílson, o Roque Júnior, o Ewerthon e o Juninho Paulista", contou. "O Alex era o mais sério, quase não conversava com ninguém, nem com os próprios colegas." Ele lembrou que o momento de mais alegria foi após a vitória sobre o Paraguai por 3 a 1, há pouco mais de uma semana. "Houve até samba durante o jantar." E afirmou que, depois da derrota para Honduras, o clima não poderia ser pior. "Todos estavam arrasados." Eles chegaram à concentração e foram rapidamente a seus quartos. A suíte mais luxuosa, com sala, dois banheiros e varanda, foi reservada ao presidente da CBF, Ricardo Teixeira. Ela, porém, ficou vazia, porque o dirigente não se hospedou em Cali em nenhum dia. Hoje, funcionários do hotel recolheram a bandeira dos Brasil.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.