Felipão comemora a versatilidade do grupo de jogadores

Treinador elogia a atuação do volante Ramires no meio de campo

ALMIR LEITE, Agência Estado

07 de setembro de 2013 | 20h45

BRASÍLIA - O técnico Luiz Felipe Scolari comemorou o desempenho da seleção brasileira contra a Austrália especialmente por um aspecto: os jogadores reservas mostraram que podem dar à equipe a versatilidade que ele deseja. A boa atuação de Bernard e Ramires, a movimentação constante e o fato de desempenharem várias funções durante a partida foi ressaltada por Felipão. "Jogamos um bom futebol, a equipe mostrou versatilidade e me agradou muito", disse o treinador, em uma rápida entrevista coletiva, pois a seleção embarcou à noite para os Estados Unidos, onde nesta terça-feira joga contra Portugal, em Boston.

Felipão elogiou toda a equipe, mas destacou a grande participação de Ramires, que trouxe de volta à seleção após deixá-lo fora da Copa das Confederações. "Ele é rápido, muito ágil. Chega na frente e retorna em 2 segundos para recompor a marcação. Posso usar o Ramires no lado direito, como segundo atacante. É um jogador que recompõe a defesa rapidamente e meu deu hoje (sábado) uma ideia de como pode ser útil", disse, acrescentando que precisa de atletas que possibilitem a ele mudar o esquema durante o jogo sem precisar recorrer a alterações.

Neymar, que teve bela atuação, disse que a diferença entre a partida deste sábado e a da Suíça, quando a seleção foi derrotada por 1 a 0, foi a condição física dos jogadores. "Agora a gente já está num ritmo melhor e deu para realizar uma boa partida". Ele disse que pretende levar o filho Davi Lucca a outros jogos da seleção porque o garoto é "pé-quente".

O craque aproveitou o gol que fez para homenagear o atacante André, seu ex-companheiro de Santos e agora no Vasco. "Ele fez o bigode e eu fiz agora. Ele é quase um irmão para mim, é um grande jogador e merece ser respeitado", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.