Arquivo/AE
Arquivo/AE

Felipão confia que Diego Souza ficará no Palmeiras

Na África do Sul para comentar a Copa do Mundo por uma canal de TV sul-africano, o técnico Luiz Felipe Scolari revelou neste domingo, em entrevista coletiva a jornalistas brasileiros, que está otimista na possibilidade de o Palmeiras reintegrar o meia Diego Souza. O atleta foi descartado no início de maio pelo clube dias após entrar em conflito com torcedores palmeirenses durante um jogo da equipe pela Copa do Brasil, contra o Atlético-GO, no Palestra Itália.

AE, Agência Estado

20 de junho de 2010 | 15h31

Veja também:

especialESPECIAL - A trajetória de Felipão

Recém-contratado, Felipão assumirá o comando do Palmeiras depois do Mundial e Diego Souza, que pertence à Traffic, parceira do clube, estava à espera de uma boa proposta do exterior para definir seu destino. A chegada do badalado treinador, porém, motivou o atleta a ficar no Palestra Itália.

O treinador manifestou o interesse em contar com o meio-campista ao comentar a atual situação do Palmeiras e os reforços trazidos pelo clube. "Eu confio plenamente no grupo (de jogadores) que tem lá, eu confio que o Palmeiras tenha uma situação com o Diego Souza, de volta do jogador ao grupo de trabalho, que é um grande jogador e eu gostaria que ficasse", admitiu Felipão, que antes disso revelou que está estudando a contratação de outros reforços.

"Já tenho DVDs (com imagens de jogadores que podem ser contratados), já vi as contratações do (atacante) Kléber, do Tadeu (também atacante), já tem jogadores que a gente está observando, o Murtosa (auxiliar-técnico) já está vendo um DVD por dia", acrescentou.

Felipão ainda revelou neste domingo que ainda precisa acertar alguns pequenos detalhes financeiros com o Palmeiras para poder iniciar o mais um trabalho à frente do clube, mas deixou claro que a resolução dessa pendência deverá ser questão de tempo. "Eu acho que (o acerto) vai ser resolvido naturalmente porque existe o meu interesse e o interesse do Palmeiras. Que as coisas sejam bem visíveis, normais e bem equilibradas para que não haja problemas no futuro como eu já enfrentei e não quero enfrentar de novo", disse o comandante, que depois reforçou: "Não preciso correr qualquer risco como já corri no passado. Acharemos nos próximos dias uma solução para esse problema".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.