Felipão deve apostar no misticismo

Em meio a muitas dificuldades, Luiz Felipe Scolari deve apostar mais uma vez no misticismo para que a seleção brasileira vença o Paraguai, quarta-feira, e conquiste uma vaga nas quartas-de-final da Copa América. As possibilidades de o time entrar em campo com a camisa azul são grandes, pois os jogadores gostaram da idéia que partiu do treinador. No domingo, Felipão admitiu ter um lado místico, como o atual técnico do Flamengo e da seleção nas Copas de 70 e 98, Mário Jorge Lobo Zagallo, que gosta, por exemplo, do número 13. "Não vou dizer, posso falar que vou jogar com a amarela e entrar com a azul ou falar que vou jogar com a azul e entrar com a amarela", disse o treinador, que não quis se estender no assunto. Razão para manter em uso a superstição há de sobra. Nos últimos meses, a camisa amarela não vinha dando "sorte" à equipe. Com ela, por exemplo, o time empatou com o Peru em pleno Morumbi e perdeu para o Uruguai em Montevidéu. A azul "deu" a primeira vitória ao treinador, domingo, contra o Peru por 2 a 0, em Cali. O velho ditado de não se mexer em time que está ganhando deve novamente pesar a favor do uniforme reserva. O jogo de quarta-feira à noite é decisivo para as pretensões do Brasil na Copa América. Se perder do Paraguai e o Peru vencer o México, a equipe fica fora da competição. Se conquistar um bom resultado, contudo, pode até terminar na primeira colocação do Grupo B. Até mesmo os jogadores que não se dizem supersticiosos rendem-se ao momento e demonstram-se favoráveis à decisão do treinador. Para o meia Juninho Paulista, a cor do uniforme não faz a menor diferença dentro do campo. "Não melhora o rendimento de ninguém", afirmou. "Mas, por outro lado, é bom porque estão secando demais aquela camisa amarelinha. Quem sabe isso ajude." O capitão Emerson prefere apegar-se ao quesito estética para justificar a utilização do segundo uniforme. "A camisa azul também é muito bonita. Na verdade, o que vale é que seja a camisa da seleção brasileira", observou. Ele saiu do jogo antes do fim porque estava com febre. Hoje, foi poupado do treinamento da manhã, mas disse que não é problema para enfrentar o Paraguai. Quem mais está torcendo para continuar jogando com a camisa azul é o zagueiro Luizão. "De alguma forma, sempre acaba lembrando um pouco o Cruzeiro. E isso é muito bom", afirmou o atleta do clube mineiro. Confraternização - A comissão técnica está apostando em diversos fatores extra-campo para motivar o grupo. Além da nova camisa, da ida à igreja antes da partida contra o Peru, Felipão e seu auxiliar, Flávio Teixeira, o Murtosa, comandaram um churrasco na concentração na noite de domingo. A festa durou até aproximadamente meia-noite e o clima, pela primeira vez, era de bastante descontração.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.