Cesar Greco/Agência Palmeiras
Cesar Greco/Agência Palmeiras

Felipão diz que auditor 'falava muito do Flamengo' em julgamento de laterais

Treinador estranha postura do auditor e diz que Palmeiras não iria pedir o efeito suspensivo para Diogo Barbosa e Mayke

Daniel Batista, O Estado de S.Paulo

15 Outubro 2018 | 05h02

O julgamento de Mayke e Diogo Barbosa causou estranheza no Palmeiras. Inicialmente, o clube não pretendia pedir efeito suspensivo para a dupla, mas acontecimentos estranhos para os dirigentes e o técnico Luiz Felipe Scolari fizeram a direção mudar de tática. Segundo o treinador, o auditor do caso só falava do Flamengo

Os laterais foram suspensos por dois jogos pela confusão com o Cruzeiro, na Copa do Brasil. Assim, não enfrentariam Grêmio e Ceará e estariam livres para encarar o Flamengo. Entretanto, o Palmeiras decidiu entrar com efeito suspensivo após uma ação do auditor José Nascimento, relator do processo. 

O relator queria aplicar uma pena de seis partidas aos dois palmeirenses, por isso pediu novo julgamento. Ao falar sobre ele, Felipão disse que o relator citou o Flamengo. 

“Nem tínhamos a ideia de fazer isso (pedir o efeito suspensivo). Foi ele, o relator (que pediu vista) e que falava muito em Flamengo”, disse, apontando a mão para a sua cabeça, como se pedisse para que os jornalistas pensassem o que isso poderia significar. 

Com o efeito suspensivo, a dupla teve condições de jogar con o Grêmio, no domingo, mas passarão por um novo julgamento, que ainda não tem data marcada, mas pode ocorrer justamente antes do duelo com o Flamengo, que será dia 27 de outubro, no Maracanã, uma partida que pode ser decisiva para os cariocas na luta pelo título.

“Deixa eu explicar uma coisa para vocês: Não fomos nós que fomos solicitar efeito suspensivo. Foi o relator que não aceitou a pena de dois jogos aos dois atletas e solicitou vista de processo para que possa punir com muito mais. Provavelmente, é o que ele quer. Aí, nos deu chance de efeito suspensivo”, disse o treinador, escolhendo as palavras para evitar mais polêmicas.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.