Felipão diz que o penta "já acabou"

A despedida de Luiz Felipe Scolari da seleção marcou também uma nova etapa da equipe brasileira. Foi o próprio treinador, em sua última entrevista no cargo, que ponderou sobre como deve se comportar o grupo, com a comissão técnica que será formada a partir de janeiro. "O pentacampeonato já deve ser esquecido. Já acabou." Dessa forma, Felipão destacou a importância da realização de um trabalho voltado para as próximas competições da seleção: as eliminatórias para o Mundial de 2006, que começam no ano que vem, e a preparação do time pré-olímpico para os Jogos de Atenas de 2004. Abatido pela morte do amigo Carlos Froner, o que apressou a sua volta de Fortaleza para Porto Alegre, Felipão não quis se prolongar sobre a atuação do time do Brasil na derrota desta quarta-feira para o Paraguai, por 1 a 0. Disse apenas que o jogo foi uma festa e que não se poderia esperar muito de uma seleção que pôs 21 atletas em ação, como ocorreu no estádio Castelão. Ele lembrou que iniciou o trabalho na seleção com uma derrota, em 1º de julho de 2001, para o Uruguai, pelo mesmo placar do amistoso contra os paraguaios. Ressaltou, no entanto, que a história do futebol vai registrar a conquista do pentacampeonato e não esses dois resultados adversos. Sem perder o tom pouco delicado que é uma de suas características, o treinador fez críticas à imprensa e revelou um dos motivos pelos quais resolveu deixar a seleção: pressão da opinião pública. Ao responder sobre o comentário de Carlos Alberto Parreira, de que deveria permanecer na seleção para dar continuidade ao trabalho, Felipão teve um momento de bom humor. "O Parreira fez o mesmo trabalho em 94 e não ficou. Tem que perguntar a ele o motivo. Ele sabe o que é pressão." Felipão voltou a repetir que seu projeto é trabalhar na Europa, na próxima temporada. Contou que recebeu uma proposta de um clube europeu, meses atrás, e recusou por causa de seus compromissos com a seleção. "Mas em novembro e dezembro sempre há mudanças de treinadores na Europa, vou esperar para ver." Ele ainda fez elogios ao atual técnico do Palmeiras, seu antigo auxiliar Murtosa, enfatizando a necessidade dele continuar no clube paulista até depois do fim do Campeonato Brasileiro. Para encerrar, Felipão também disse que deu alguns conselhos para o meia Ricardinho, que ainda não sabe se continua no Corinthians. "Pedi a ele que continue sendo sério e correto como sempre foi."

Agencia Estado,

21 Agosto 2002 | 19h36

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.