Werther Santana/AE
Werther Santana/AE

Felipão é o novo técnico da seleção brasileira

Anúncio oficial será feito nesta quinta, às 10h30, pelo presidente da CBF, José Maria Marin

Luiz Antônio Prósperi , O Estado de S. Paulo

28 Novembro 2012 | 11h21

SÃO PAULO - A seleção brasileira já tem um substituto para Mano Menezes. Luiz Felipe Scolari será o treinador do Brasil na Copa das Confederações de 2013 e também na Copa do Mundo de 2014. Felipão acerta apenas os últimos detalhes nesta quarta-feira com o presidente da CBF, José Maria Marin, para o anúncio oficial na quinta, às 10h30, confirmando o que disse o dirigente durante evento no Itaquerão.

O último empecilho para o ex-treinador do Palmeiras aceitar o convite para voltar à seleção era a contratação de um nome de peso para ser coordenador da CBF. E justamente Carlos Alberto Parreira, grande amigo de Felipão e comandante da campanha do tetra, em 1994, foi convidado ontem para o cargo e aceitou.

A confirmação de Felipão atende ao perfil desejado por Marin no início do processo de sucessão de Mano Menezes. O presidente da CBF queria um treinador vencedor, com respaldo popular, já que o Brasil vai jogar sob pressão para conquistar o hexacampeonato em casa. Felipão, e a família Scolari (como era conhecido seu time), conquistou o penta para o Brasil em 2002. 

Apesar de a imagem recente não ser muito positiva, principalmente para os torcedores do Palmeiras, que foi rebaixado à Série B com o treinador participando de 63,1% da campanha no Campeonato Brasileiro, Felipão é querido pelos brasileiros pela conquista do pentacampeonato em 2002, na Copa do Japão e da Coreia do Sul.

Sob comando de Felipão, o Brasil venceu os sete jogos do Mundial. O título veio com uma vitória por 2 a 0 diante da Alemanha, com dois gols de Ronaldo, no Estádio Internacional Yokohama, no Japão. A seleção conquistava novamente um título após fracassar na Copa de 1998, na França. Os dois agora vão trabalhar juntos pela conquista do hexa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.