Manu Fernandez/AP
Manu Fernandez/AP

Felipão justifica Robinho por versatilidade e 'alegria'

Possibilidade de aproveitar o jogador em posições diferentes pesou na decisão do treinador

Sílvio Barsetti, Agência Estado

31 de outubro de 2013 | 13h22

SÃO PAULO - Depois de mais de dois anos, Robinho está de volta à seleção brasileira. Jogador fundamental para o Brasil por quase uma década inteira, o atacante volta a receber uma chance aos 29 anos, na penúltima rodada de amistosos antes da convocação final para a Copa do Mundo de 2014.

Ao anunciar a chance ao jogador do Milan, o técnico Luiz Felipe Scolari explicou que fez esta opção pela qualidade técnica e pela versatilidade de Robinho. "Eu pretendo aproveitar o Robinho pela sua qualidade técnica. Ele pode ser falso 9 (centroavante), pode ser 7, 11 (ponta direita ou esquerda). Em qualquer posição do meio para frente ele rende. É jogador ousado. Pretendo que ele ouse, que dê qualidade técnica, alegria", justificou o treinador.

A convocação de Robinho não tem a ver com o pedido de dispensa de Diego Costa. Segundo Felipão, o atacante do Milan já vinha sendo observado "há muitos dias, praticamente um mês" e seria chamado de qualquer jeito. A vaga aberta pelo artilheiro do Campeonato Espanhol deu chance a Willian, meia-atacante do Chelsea, que chega à seleção recomendado pelos seus companheiros.

"Quando eu procuro informações, muitas vezes de personalidade, procuro com A, B ou C. Alguns jogadores do Chelsea foram importante porque me passaram informações da personalidade (do Willian). Algumas atuações dele no Chelsea nesta temporada também chamam atenção. Por isso estará conosco nesses jogos", explicou Felipão, que já trabalhou em Stanford Bridge, tem amigos lá, e tem convocado Oscar e Ramires, companheiros de Willian no clube inglês.

Felipão não adiantou a função que espera ver Willian desempenhando na seleção, se ao lado ou como concorrente de Oscar, mas já avisou que Robinho deve ser testado diante de Honduras, dia 16, em Miami, e também contra o Chile, três dias depois, em Toronto. "Dependendo do andamento do primeiro jogo, já vou testar uma nova situação tática que me permite esse amistoso e me permite a convocação do Robinho."

Ao dar uma chance a Robinho e Willian, mas também a Marquinhos, zagueiro do Paris Saint-Germain, Felipão deixou claro que sua lista para a Copa do Mundo ainda não está fechada. Diferente do que vinha dizendo, desta vez o treinador afirmou que a relação de convocados não será fechada no fim deste ano.

"Lembrem-se de 2002, quando alguns jogadores apareceram nas últimas convocações e foram importantes, como o Vampeta e o Edilson. Se vocês (jornalistas) lembrarem, em 2002 o Kaká foi quase que na última. Lembram? Não posso encerrar (a lista). A gente está trazendo um menino novo, o Marquinhos. Temos que observar até a convocação de março e se tiver que convocar mais um jogador novo que apareça nesses quatro ou cinco meses, vamos convocar", garantiu Felipão.

O treinador reforçou a postura e garantiu que as portas estão abertas para todos os jogadores brasileiros. "Se tivermos que trocar um dia antes porque acharmos que é o melhor para o Brasil, vamos fazer."

 

CONVOCADOS

 

Goleiros:

Júlio Cesar (Queens Park Rangers)

Victor (Atlético-MG)

 

Zagueiros:

Thiago Silva (Paris Saint-Germain)

Marquinhos (Paris Saint-Germain)

David Luiz (Chelsea)

Dante (Bayern de Munique)

 

Laterais:

Daniel Alves (Barcelona)

Maicon (Roma)

Marcelo (Real Madrid)

Maxwell (Paris Saint-Germain)

 

Meio-campistas:

Lucas Leiva (Liverpool)

Luiz Gustavo (Wolfsburg)

Paulinho (Tottenham)

Hernanes (Lazio)

Ramires (Chelsea)

Oscar (Chelsea)

Willian (Chelsea)

Bernard (Shakhtar Donetsk)

 

Atacantes:

Neymar (Barcelona)

Robinho (Milan)

Jô (Atlético-MG)

Hulk (Zenit)

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.