Werther Santana/Estadão
Werther Santana/Estadão

Felipão lembra de eliminação em 2018 para minimizar melhor campanha

Técnico citou queda diante do Boca Juniors para justificar que decidir em casa as partidas não é tão vantajoso

João Prata, O Estado de S.Paulo

09 de maio de 2019 | 11h30

O técnico Luiz Felipe Scolari tentou minimizar o fato de o Palmeiras ter conseguido fechar a primeira fase com a melhor campanha da Libertadores. O treinador lembrou da queda no ano passado diante do Boca Juniors na semifinal para descartar qualquer vantagem por poder decidir as partidas em casa.

"Sendo bem sincero na resposta. O que nos dá certeza é que jogamos o segundo jogo em casa, diante da nossa torcida. O futebol de hoje, temos o exemplo do ano passado. Classificamos em primeiro no geral, mas em um descuido de dez minutos perdemos a Libertadores. O nosso exemplo é do ano passado", disse o treinador.

Na partida de ida contra o Boca Juniors, o time alviverde teve um descuido de alguns minutos em Buenos Aires e perdeu por 2 a 0. A volta terminou 2 a 2 no Allianz Parque e o time brasileiro deu adeus à competição.  

"Vamos continuar focados. Temos trabalhado com muita intensidade, temos colhido os frutos. Conseguimos realizar nossos primeiros objetivos. Esperamos que esse ano seja diferente, melhor", comentou o treinador.

Os confrontos das oitavas de final serão definidos por sorteio na próxima segunda-feira. As partidas, no entanto, só acontecerão depois da pausa para a Copa América, competição que acontecerá entre 14 de junho e 7 de julho.

"Não vejo como a gente ia ficar melhor ou pior até lá. Tem a Copa América, não adianta, já estava definido assim. Eu prefiro pensar que, tendo os jogos que temos e o tempo que temos para se preparar para um adversário, é até melhor", analisou Felipão.

Ao analisar a primeira fase da Libertadores, Felipão disse que ficou surpreso com os resultados e os clubes classificados. "No início da Libertadores, se a gente fosse prever os candidatos ao título, as classificações, muito de nós escreveríamos A e B, mas A em primeiro. Em três ou quatro grupos não foi assim que aconteceu. É uma Libertadores um pouquinho diferente do que a gente imaginava. Vai ser uma disputa muito interessante."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.