Mayama Kimimasa/EFE
Mayama Kimimasa/EFE

Felipão lembra goleadas do Barcelona para minimizar derrota

Técnico reconhece que derrota do time chinês já era esperada

Estadão Conteúdo

17 de dezembro de 2015 | 12h21

A derrota do Guangzhou Evergrande por 3 a 0 para o Barcelona, pelas semifinais do Mundial de Clubes, não decepcionou o técnico Luiz Felipe Scolari. O brasileiro reconheceu que o resultado da partida desta quinta-feira já era esperado diante da qualidade do adversário e lembrou que recentemente o clube espanhol conseguiu vitórias por placares ainda mais largos diante de oponentes poderosos, em uma referência ao Real Madrid, goleado por 4 a 0 no último clássico entre os rivais.

Assim, Felipão minimizou até mesmo as ausências de Neymar e Lionel Messi, que desfalcaram o Barcelona no duelo desta quinta-feira em Yokohama. "Perdemos, mas não há nenhuma vergonha em perder para o Barcelona por 3 a 0. Grandes clubes europeus sofreram o mesmo resultado ou ainda pior. Mesmo sem Messi e Neymar, eles têm um elenco de jogadores que possuem uma qualidade excepcional", disse.

Para Felipão, enfrentar o Barcelona foi uma aula de futebol aos seus jogadores. "Seu estilo de jogo foi uma verdadeira lição para nós. Eles nos mostraram como jogar um futebol bonito, tendo tempo e espaço com a bola, usando bem e tendo chances. Hoje à noite nós fizemos um grande esforço, tivemos grande determinação e estamos aprendendo o tempo todo", afirmou.

O treinador reconheceu que mesmo sendo campeão asiático, o Guangzhou Evergrande está abaixo do nível necessário para duelar com as principais potências do futebol. "Nós somos uma boa equipe. Temos melhorado muito, mas nós não conversamos com os grandes clubes do mundo", comentou.

A derrota desta quinta-feira encerrou uma invencibilidade de 28 jogos do Guangzhou Evergrande em competições oficiais, iniciada em maio, pouco antes da chegada de Felipão. No próximo domingo, o time chinês vai disputar o terceiro lugar do Mundial de Clubes com o japonês Sanfrecce Hiroshima, em Yokohama.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.