J.F. Diorio/AE
J.F. Diorio/AE

Felipão leva apoio ao Palmeiras antes de jogo na Libertadores

'É dar um chutão pra cima e sair correndo atrás', disse o pentacampeão mundial para Vanderlei Luxemburgo

Juliano Costa, Jornal da Tarde

15 de junho de 2009 | 19h49

Luiz Felipe Scolari, o técnico que levou o Palmeiras ao título da Libertadores há exatamente dez anos - foi no dia 16 de junho de 1999 -, foi nesta segunda-feira à Academia de Futebol para visitar velhos amigos, receber uma homenagem e desejar boa sorte ao grupo palmeirense que viajou em seguida para o Uruguai - o jogo decisivo contra o Nacional, pelas quartas de final do torneio continental, é na noite de quarta, em Montevidéu.

 

Veja também:

linkKeirrison admite que gols lhe trouxeram tranquilidade

linkGripe afeta atletas do Nacional antes de duelo com Palmeiras

tabela Copa Libertadores - Classificação e Calendário 

especial Dê seu palpite no Bolão Vip do Limão

 

Felipão foi homenageado pela diretoria com uma placa de prata e, em 45 minutos de entrevista coletiva, declarou por diversas vezes seu carinho ao Palmeiras - sempre que se referia ao clube, falava "a gente", deixando claro que ainda se sente parte da família palmeirense.

 

O técnico disse que aposta em vitória por 2 a 0 sobre o Nacional e, em animada conversa com Vanderlei Luxemburgo, destacou a forma como seus jogadores mais jovens supriram com muita força de vontade a falta de experiência em 99. "O que eu posso dizer é que, quando não se tem experiência, tem de correr. É dar um chutão pra cima e sair correndo atrás, só porque tem pernas para isso", disse Felipão.

 

Como se estivesse numa palestra motivacional para seus próprios jogadores, Felipão continuou dando o recado ao time palmeirense. "Tem de buscar a bola como quem busca um prato de comida. Tem de correr os 90 minutos porque se tem fôlego para correr uns 200", avisou o treinador.

 

Por respeito a Luxemburgo, Felipão não chegou a se pronunciar para o grupo - falou apenas com o próprio treinador e com os jogadores Marcos e Edmílson, seus comandados no título mundial com a seleção brasileira em 2002. Os comentários sobre Libertadores foram feitos apenas na entrevista coletiva, a pedido dos jornalistas.

 

Esbanjando simpatia, Luxemburgo roçou o braço de Felipão, como quem diz "me passa um pouco dessa sorte para ser campeão sul-americano" - afinal, ele nunca ganhou a Libertadores. O clima entre os dois era o melhor possível no encontro desta segunda-feira.

 

"Espero que daqui a 10 anos eu seja homenageado como mais um técnico a ser campeão da Libertadores, e que o Felipão esteja comemorando 20 anos da conquista dele", disse Luxemburgo. Felipão retribuiu o comentário com um abraço.

 

Sobre o contrato recém-firmado com o Bunyodkor, do Usbequistão, Felipão justificou que, por conta de uma cláusula na rescisão com o Chelsea, não poderia assumir nenhum clube inglês até o início do ano que vem. "E as outras propostas que surgiram representavam dificuldades que eu já superei antes. Então, a ideia de um projeto novo, num país com uma proposta de chegar a um Mundial em cinco anos, me pareceu muito interessante", explicou.

 

Felipão também disse que voltará a trabalhar num clube brasileiro em 2011 e que pretende encerrar a carreira em 2014. Não quis se comprometer com ninguém, mas deixou clara sua predileção por Grêmio e Palmeiras, clubes com os quais foi campeão da Libertadores. "Espero que os dois façam a final deste ano. Tenho um filho palmeirense e outro gremista. E quem sabe um dia eu volte a trabalhar aqui. Vejo que o Palmeiras evoluiu de forma espetacular nestes dez anos", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.