Felipão mantém estilo e fica feliz com vitória magra

Apesar de ter sido muito criticado por recuar o time quando vencia por apenas 1 a 0, o treinador de Portugal, o brasileiro Luiz Felipe Scolari, disse que gostou do resultado e fez questão de ressaltar a estréia com os três pontos conquistados diante da Angola."Esperava dificuldade. Mas ganhar é o que interessa, seja de 1 a 0, 2 a 1 ou 5 a 4. O primeiro critério de desempate é pontos e fizemos a nossa parte", disse Felipão, que fez questão de elogiar os angolanos, estreantes em Mundiais. "Ninguém mais tem pouca qualidade no futebol internacional. Presenciamos isso ontem (sábado), quando a Suécia, que é uma equipe tradicional e jogou todo o segundo tempo com um a mais, não conseguiu vencer Trinidad e Tobago. Eles montaram uma equipe equilibrada", completou.Segundo o treinador gaúcho, foi mais difícil estrear dirigindo os lusitanos que o Brasil. "É bem diferente. Eles (Portugal) vinham de um passado traumático. Em 2002 (Coréia do Sul e Japão), tomaram três gols dos Estados Unidos antes do final do primeiro tempo. Na Eurocopa (2004), quando eu já era técnico, sofremos um gol em menos de 15 minutos de jogo. Essa vitória, por mais simples e magra, foi importante para dar motivação aos jogadores."Felipão também comentou sobre a ausência do meia Deco, com lesões no tornozelo e na coxa. "Nosso objetivo é superar esta fase e para isso farei o que considerar melhor para a equipe. Um jogador com 70% de suas condições físicas não pode oferecer tudo o que precisamos numa partida de Copa do Mundo."Logo após o apito final, Scolari já demonstrou estar com as atenções voltadas para o compromisso com o Irã, no próximo sábado. "Temos a possibilidade de, em caso de vitória, eliminar um adversário que foi derrotado na primeira rodada", declarou o brasileiro, lembrando o tropeço dos iranianos por 3 a 1 para o México.O meia Luiz Figo também não gostou das criticas e manteve o discurso do treinador. "É verdade que tivemos momentos ruins, mas, no geral, fomos superiores. Qualquer partida em Mundial é difícil, seja a seleção que seja, nenhuma chega até aqui por casualidade", disse."Sempre comentam as coisas negativas. Vocês(imprensa) cobrram demais e sempre exigem goleadas. Esperavam que fôssemos ganhar por 5 a 0 ou 6 a 0? Os jogos em Mundial são vencidos com diferenças de apenas um ou dois gols. A Angola é uma equipe forte e veloz e mostrou qualidade. Na Copa, quem dorme paga caro", analisou o atleta da Inter de Milão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.