Felipão minimiza críticas ao regulamento do Campeonato Paulista

Técnico lembra que regras do torneio foram aprovadas pelos presidentes de todos os clubes

AE, Agência Estado

17 de abril de 2011 | 20h21

SÃO PAULO - O Palmeiras entrou em campo em Campinas neste domingo, contra a Ponte Preta, como líder do Paulistão. Mas encerrou a primeira fase na segunda colocação. A ''vantagem'' conquistada pelo São Paulo foi fazer um clássico nas quartas de final, contra a Portuguesa, enquanto o Palmeiras pega o Mirassol.

Se no São Paulo o regulamento foi alvo de críticas - Rogério Ceni o chamou de "esdrúxulo -, no Palmeiras Felipão lembrou que a fórmula de disputa foi aceita pelos dirigentes das equipes. "Para um próximo campeonato, os presidentes dos clubes que se reúnam com o presidente da Federação (Paulista) e façam um campeonato diferente. Como (o regulamento) foi aceito por todos, que calem a boca e joguem."

A vantagem perdida foi tão insignificante para o Palmeiras que Kléber até fez pouco caso da derrota deste domingo: "Para a gente não faz diferença nenhuma. Este jogo era mais um teste para os jogadores que não vinham sendo utilizados. O campeonato começa agora e temos que batalhar", comentou o atacante.

Se eliminar o Mirassol, o Palmeiras pode ter o Corinthians na semifinal. Para Luan, deve-se pensar em um jogo por vez. "Vamos procurar vencer o Mirassol e depois pensar nos próximos confrontos. O jogo será difícil e temos que dar a nossa vida para vencer", afirmou.

Camisa 9 no banco. Após o jogo em Campinas, Felipão afirmou que Valdivia volta ao time na quinta-feira, contra o Santo André, pela Copa do Brasil. Wellington Paulista, contratado para ser o centroavante que o treinador tanto pediu, segue no banco. "A gente ainda vai ver nos treinamentos se dá pra usar dois atacantes. Por enquanto, essa formação não cabe no nosso estilo", explicou Scolari.

Veja também:

link JOGO - Leia como foi Ponte Preta 2 x 1 Palmeiras

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.