Felipão não pensa em mudar a seleção

O técnico Luiz Felipe Scolari não pensa em mudar a Seleção Brasileira apesar da derrota por 1 a 0 para o Uruguai, hoje, em Montevidéu. Abatido e frustrado depois do jogo, o técnico garantiu que vai apostar mais uma vez nos "estrangeiros". Scolari disse também que pode ficar na história como o único treinador que não levou o Brasil à uma Copa do Mundo, hipótese que considera como quase impossível. A derrota no Centenário? "Perdemos no detalhe", disse, sem muita convicção.Acompanhe os principais trechos da entrevista coletiva que concedeu 30 minutos depois da partida.P - Por que o Brasil perdeu? Scolari - Os dois times não fizeram nada para merecer a vitória.Sabíamos que o jogo seria decidido em um detalhe da bola parada ou no erro do adversário. O Brasil teve poucas chances de gol e o Uruguai também. Eles venceram, primeiro num erro de passe nosso (Romário) e, segundo, com uma jogada espetacular do Recoba que conseguiu o pênalti. Como analisa a exibição da Seleção Brasileira? Foltou criatividade e ambição para fazer o gol. Nem a favor do vento nós chutamos ao gol. Não manejamos bem a bola. Mas garanto que não faltou garra e disposição desses jogadores. A nossa garra foi igual à do Uruguai. E o Romário? Até quando vai apostar em um jogador que passa 90 minutos quase parado? Até quando eu, como treinador, entender que ele é um grande jogador e que pode resolver uma partida. Depois dessa derrota, você admite que o Brasil possa ficar fora da Copa do Mundo de 2002? Quando acabou o jogo, eu disse aos meus jogadores que poderia ser o único técnico que não levaria o Brasil à uma Copa do Mundo. Disse que ficaria na história marcado por esse fato negativo. Disse também que isso não passa pela minha cabeça e que temos todas as condições de buscar a classificação. Como garantir a vaga com um futebol tão ruim que o Brasil está apresentando? Temos três jogos em casa, são nove pontos. Se conseguirmos os nove pontos chegaremos aos 30 que é, segundo os matemáticos, a contagem suficiente para levar uma Seleção ao Mundial. Temos seis pontos fora para disputar, não é impossível trazer alguma coisa lá de fora. Você estreou com uma derrota. O que tem para falar aos torcedores que o aprovaram em 99% como técnico da Seleção? Eu os decepcionei neste primeiro jogo. Temos muitos jogos ainda pela frente e tenho certeza que podemos retomar o caminho das vitórias. Eu vim para a Seleção preparado para tudo. Não vai ser um resultado negativo que vai mudar minha opinião. A derrota para o Uruguai pode obrigar uma mudança nos seus planos? Os "estrangeiros" continuarão na Seleção? Não mudo nada. Disse a eles, jogadores, que não vamos alterar nossa planificação. Eles continuarão no grupo até o dia que eu entender que serão úteis para o nosso projeto. Eles estão de parabéns pelo esforço que fizeram para jogar essa partida. Insistirá com o Rivaldo? Vou repetir o que havia dito quando convoquei os jogadores. Não é o Rivaldo sozinho que vai salvar o Brasil sozinho. Ele é um componente do grupo que vai nos ajudar a sair dessa situção difícil. O Brasil, com a volta dos seus melhores jogadores, perdeu para o Uruguai. A Seleção Brasileira Sub-20 foi eliminada hoje por Gana no Mundial. O futebol brasileiro está decadente? Vamos acabar com essa história de estamos em decadência. Nós vamos reencontrar nosso caminho. O Brasil tem grandes jogadores. Não é uma decadência nem estamos no fundo do poço. Vamos voltar a jogar bem desde que se acabe com esse pessismo. Sei que é difícil, não impossível. É complicado estrear na Seleção Brasileira com uma derrota? Penso que não. O primeiro passo sempre é espinhoso. Perdemos um jogo, não o caminho. Pediria ao povo que me acolheu tão bem na Seleção que recepcionem bem esses jogadores. Perder é ruim, mas não é o fim do mundo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.