Cesar Greco/Ag. Palmeiras
Cesar Greco/Ag. Palmeiras

Felipão nega pressão no Palmeiras por eliminação: 'Sem terra arrasada'

Técnico lamenta queda na Copa do Brasil e se apega às participações no Brasileiro e na Libertadores

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

27 de setembro de 2018 | 11h00

O técnico do Palmeiras, Luiz Felipe Scolari, saiu em defesa do time na madrugada desta quinta-feira. Depois da eliminação na semifinal na Copa do Brasil pelo empate por 1 a 1 com o Cruzeiro, no Mineirão, o treinador defendeu o desempenho da equipe e negou que o resultado negativo represente pressão extra para conquistar os dois títulos restantes em disputa.

Vice-líder do Brasileiro, o Palmeiras tem a classificação encaminhada para a semifinal da Copa Libertadores, porém perdeu a chance mais próxima de erguer uma taça, já que a Copa do Brasil terá a decisão em outubro. "Eu não vejo porque ter terra arrasada porque perdemos para o Cruzeiro. É uma boa equipe, de qualidade. Temos que fazer algumas correções por detalhes, porque perdemos em erros que não erramos em outros jogos", avaliou Felipão.

No domingo o Palmeiras volta a enfrentar o Cruzeiro, desta vez pelo Campeonato Brasileiro, no Pacaembu, e na quarta-feira seguinte entra em campo contra o Colo-Colo, pela partida de volta das quartas de final da Libertadores. No jogo de ida, no Chile, o time alviverde ganhou por 2 a 0 e abriu vantagem no confronto.

Felipão garantiu que o nível de desempenho do Palmeiras será mantido e que a eliminação não representa um abalo emocional. "Não devo cobrar minha equipe por nada, não criamos muitas oportunidades porque o Cruzeiro não deixa. O Cruzeiro também não criou muito porque tivemos uma marcação forte. Nós fizemos gol no escanteio. Eu estou bem satisfeito com a determinação, vontade da equipe", disse o treinador.

O Palmeiras dá adeus ao torneio por ter perdido o confronto de ida por 1 a 0, no Allianz Parque. Assim como no ano passado, a equipe alviverde cai na Copa do Brasil diante do Cruzeiro. Felipão tentou analisar a queda pelo lado positivo, ao relembrar que pelo menos agora poderá ter semanas cheias para treinar. Será a primeira oportunidade para trabalhar com mais tempo desde que chegou ao cargo, em agosto.

"Era uma classificação que te levava para a final, que podia classificar para a Libertadores, brigar por um título. Teremos mais tempo para treinar, mas eu trocaria pela final, para poder ser campeão", disse o técnico palmeirense.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.