Felipão pede cuidado com Goiás, mas promete atacar

O Palmeiras enfrenta o Goiás nesta quarta-feira no primeiro confronto das semifinais da Copa Sul-Americana. Nesta segunda, o técnico Luiz Felipe Scolari cobrou empenho dos jogadores e alertou para os perigos da bola aérea da equipe goiana. Ao mesmo tempo, porém, ele lembrou que será fundamental conseguir marcar gol como visitante.

ANDRÉ RIGUE, Agência Estado

15 de novembro de 2010 | 19h54

"Temos de jogar com paciência e inteligência, pois faz parte do jogo", disse Felipão. "Devemos saber que, se tivermos de jogar para ganhar ou empatar, o 0 a 0 não serve. Se fizermos gols fora de casa, nossas chances de chegar à decisão aumentam. Então, também temos de sair para o jogo", prometeu.

Para enfrentar o Goiás no Serra Dourada, o Palmeiras não terá o meia Valdivia, que está em recuperação de uma lesão na coxa esquerda. O chileno também não atuará no jogo de volta, no dia 24, no Pacaembu. Lincoln será o titular no meio-campo ao lado de Tinga, Marcos Assunção e Edinho.

"O Lincoln vem trabalhando bem", disse Felipão. "Ele é um jogador que tem se dedicado bastante, e está 90% recuperado fisicamente. Falta ainda um pouco de ritmo de jogo. Mas não tenho muito que esconder. Provavelmente iniciarei a partida no Serra Dourada com a equipe base."

Apesar de ter escalado um time quase que reserva contra o Atlético-GO, no domingo, pelo Brasileirão, Felipão mostrou o vídeo dos gols sofridos para todos os jogadores. O motivo: corrigir o posicionamento da defesa. "A bola parada é uma das minhas preocupações. E o Goiás também tem muita qualidade na bola aérea."

O Goiás está praticamente rebaixado no Brasileirão, mas faz campanha surpreendente na Sul-Americana. No último domingo, empatou com o Fluminense no Engenhão pelo Nacional. Apesar do contraste, a diretoria goiana espera um bom público para o confronto desta quarta-feira e já comercializa os ingressos.

"Eu sou franco", declarou Felipão. "O Goiás deve ter só 3% de chances de escapar do rebaixamento no Brasileirão. Então, se eu estivesse do lado deles, concentraria tudo para obter uma classificação na Sul-Americana. Espero as mesmas dificuldades da partida contra o Atlético-MG."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.