Felipão perde jogadores para seleções, mas não reclama

'Já estive do outro lado e sei como é difícil o trabalho do treinador de uma seleção', explica

Luís Augusto Monaco, Jornal da Tarde

18 de agosto de 2008 | 17h31

Quando a fase é boa, nada é motivo para reclamar. Luiz Felipe Scolari não terá boa parte do elenco do Chelsea nos treinos da semana por causa dos amistosos que as seleções farão nesta quarta-feira, data Fifa, mas não faz drama por isso. "Já estive do outro lado e sei como é difícil o trabalho do treinador de uma seleção. Você recebe os jogadores na segunda-feira, treina terça, joga quarta e logo em seguida eles vão embora. Está tudo bem, se vou perder muitos jogadores para as seleções é sinal de que meu elenco é muito forte", resigna-se. Por via das dúvidas, ele já trata de preparar a torcida e a imprensa para não esperarem show de bola sempre. "Se der para jogar bonito e ganhar, ótimo. Mas para conquistar o campeonato é preciso somar pontos, e às vezes teremos de ganhar sem jogar tão bonito", diz, depois da vitória por 4 a 0 sobre o Portsmouth, neste domingo, na estréia. Um dos jogadores que deveriam viajar é o alemão Ballack, mas o Chelsea pediu sua desconvocação do jogo contra a Bélgica em Nuremberg por causa da lesão no tornozelo direito que o tirou de campo aos 37 minutos da partida contra o Portsmouth. "Ele é dúvida para a partida contra o Wigan", disse Felipão. O jogo será domingo, fora de casa. Terry, Lampard, Joe Cole, Cech, Bosingwa, Ricardo Carvalho, Deco, Shevchenko, Malouda... A lista de "selecionados" é grande. Sem eles, Felipão dará ênfase ao trabalho tático para preparar eventuais substitutos caso algum titular volte machucado. O atacante Drogba só deverá ter condição de ser aproveitado na terceira rodada, dia 31, quando o time receberá o Tottenham. Um jogador que deverá ter oportunidades com Felipão é o atacante argentino Di Santo, de apenas 18 anos. Contratado do Audax Italiano (CHI) durante a temporada passada, ele ficou jogando no time B. E foi puxado para o elenco principal assim que o novo treinador chegou. Domingo ele ficou no banco, enquanto Shevchenko não foi nem sequer relacionado - assim como o lateral-direito Belletti, que parece destinado a jogar pouquíssimo nesta temporada.

Tudo o que sabemos sobre:
FelipãoChelseaCampeonato Inglês

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.