Fernando Bizerra Jr./EFE
Fernando Bizerra Jr./EFE

Felipão rebate críticas sobre estilo de jogo do Palmeiras: 'Ninguém vê meus treinos'

Técnico defende atuações do Palmeiras e diz que apesar dos ataques, conseguiu levar o time ao título brasileiro

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

29 de agosto de 2019 | 15h55

O técnico do Palmeiras, Luiz Felipe Scolari, defendeu nesta quinta-feira o método de trabalho realizado na equipe. Durante entrevista coletiva convocada pela diretoria na Academia de Futebol para explicar a eliminação na Copa Libertadores, sofrida para o Grêmio, o treinador rebateu as críticas sobre o estilo de jogo e afirmou que como todos os treinos são fechados, as avaliações sobre o método de trabalho são inadequadas.

Felipão se irritou com perguntas sobre a proposta ofensiva do time, em especial ao excesso de cobranças de lateral realizadas no segundo tempo da derrota para o Grêmio. "Vou pedir para os jogadores do Grêmio não botar a bola para fora. Se eu tenho uma jogada interessante que causa prejuízo aos adversários, vocês (jornalistas) não gostam? Tenho de jogar dento do que posso para criar problemas aos adversários", disse.

Ao longo da entrevista coletiva de quase uma hora, Felipão reconheceu a queda de rendimento do Palmeiras depois da Copa América, mas avaliou que o time está perto de recuperar o nível das atuações. O treinador relembrou que apesar do momento ruim vivido com a queda na Libertadores, a equipe está na terceira posição do Campeonato Brasileiro, com um jogo a menos do que os demais concorrentes.

O treinador explicou o motivo de só fazer treinos fechados no Palmeiras. Felipão disse ter ficado incomodado com o tratamento dado pela imprensa em agosto do ano passado ao noticiar que o volante Felipe Melo deu uma entrada dura no garoto da base Lucas Minele durante uma atividade. "No outro dia isso era capa do jornal, porque o Felipe deu uma chegada no menino. Por que preciso mostrar isso? Não tenho rancor, quero só proteger meus atletas de coisas que podem sair", explicou.  

Felipão afirmou ser injustas as críticas sobre o repertório ofensivo da equipe. "Isso vem de pessoas que não acompanham nosso dia a dia, porque treinamos fechado", afirmou. "Se a equipe do Palmeiras só tem esse repertório e foi campeão brasileiro ano passado e está em terceiro lugar neste ano, não acho que seja normal discutir meus métodos de treinos. Ninguém assiste meus treinos, fora a direção", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.