Felipão recusa o convite para comandar seleção inglesa

Disposto a dar um fim às especulações com seu nome, Luiz Felipe Scolari, atual treinador da seleção de Portugal, disse não para o convite feito pela Federação Inglesa de Futebol para comandar a Inglaterra após a Copa do Mundo. O anúncio foi feito nesta sexta-feira, em Marienfeld, na Alemanha, onde Felipão visitou as instalações do local de preparação da equipe para o Mundial."A Federação Inglesa está escolhendo um nome. O meu não está na lista deles porque estou encerrando esse assunto por aqui", disse Felipão, em entrevista coletiva, tentando por fim às notícias de que já teria acertado tudo para trabalhar na Inglaterra. "No espaço de dois dias, minha vida foi invadida, minha privacidade foi abalada. Há uns 20 repórteres na parte de fora da minha casa neste momento. Se isso é parte de uma cultura, não faz parte da minha", contou o técnico, talvez preocupado com o famoso assédio da imprensa britânica.Com contrato até 31 de julho com a seleção portuguesa, Felipão comentou que está se sentindo muito importante para o país. Nesta quinta, o treinador jantou com amigos e ouviu inúmeros pedidos para que continue trabalhando depois da Copa. "Eu senti que continuo sendo importante em Portugal para a seleção nacional, para as pessoas do país e para o projeto que começamos em 2003", disse.

Agencia Estado,

28 de abril de 2006 | 14h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.