Felipão reforça dificuldades do Cruzeiro: 'Não vou tapar o sol com a peneira'

Felipão reforça dificuldades do Cruzeiro: 'Não vou tapar o sol com a peneira'

Equipe arrancou empate com o Náutico em segundo jogo do treinador no comando da equipe

Redação, Estadão Conteúdo

25 de outubro de 2020 | 23h03

Depois das dificuldades enfrentadas pelo Cruzeiro para buscar o empate com o Náutico, por 1 a 1, neste domingo, no estádio dos Aflitos, no Recife, parece que a ficha caiu de vez para o técnico Luiz Felipe Scolari. Com 17 pontos, o time mineiro segue na zona de rebaixamento do Brasileiro da Série B e Felipão voltou a reforçar que não fará milagre. "Não podemos tapar o sol com a peneira. Não existe milagre. Nós vamos trabalhar para tirar o Cruzeiro desta situação, de pouco a pouco", comentou.

Felipão voltou a lembrar da situação difícil do clube e pedindo paciência. "Nossa diretoria tem feito de tudo para diminuir o impacto causado por administrações anteriores. Só neste mês diminuiu a dívida em torno de R$ 140 milhões. Mas os problemas são muitos e vamos ter que enfrentar cada um no seu tempo" prometeu.

Sobre o seu trabalho e o rendimento do time, ainda sem convencer sob seu comando, ele acha que ninguém pode falar nada. "Tivemos um tempo diminuto para trabalhar. Aos poucos, vou conhecendo os jogadores e tentando melhorar. Não vamos ver nada melhor com três ou quatro jogos. Mas não posso reclamar de nada dos jogadores, porque eles estão se dando ao máximo dentro de campo", concluiu Felipão, que na estreia, na rodada anterior, tinha vencido o Operário por 1 a 0, em Ponta Grossa (PR).

Herói do time, o atacante Airton, de 21 anos, era o mais feliz nos vestiários. Após 13 jogos ele conseguiu marcar seu primeiro gol como profissional. Usou a cabeça após cruzamento de Patrick Brey e saiu para festeja com os companheiros. "Estou feliz e espero que seja o primeiro de muitos. Infelizmente não conseguimos a vitória, mas vamos seguir trabalhando para buscar os pontos e seguir firme no campeonato", analisou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.