Wilton Junior/Estadão
Wilton Junior/Estadão

Felipão repete em treinos coletivos os titulares da Copa das Confederações

Time base que tem sido usado na Granja Comary é o mesmo que derrotou a Espanha

Robson Morelli, enviado especial, O Estado de S. Paulo

30 de maio de 2014 | 07h00

TERESÓPOLIS - A seleção não terá todos os seus jogadores no amistoso do dia 3, em Goiânia, contra o Panamá, o penúltimo antes da estreia do time na Copa. Felipão pensa em deixar de três a quatro atletas na Granja para um recondicionamento. Ele ainda precisa se debruçar sobre os resultados dos exames clínicos e ouvir as orientações do seu estafe para tomar a decisão. Oscar, que vive a expectativa do nascimento da filha, Júlia, pode ganhar folga para uma escapadinha a fim de se juntar à família.

Os possíveis desfalques da seleção em Goiás não foram divulgados. Os jogadores que trabalharam separado do grupo no treino de quarta foram Thiago Silva, David Luiz e Maxwell, mas muito dificilmente o treinador abrirá mão de sua zaga principal. Da formação que deverá enfrentar a Croácia dia 12, em São Paulo, na abertura do Mundial, exceto pelos beques, todos os outros participaram normalmente dos treinamentos.

No primeiro coletivo realizado nesta quinta-feira, Felipão mandou a campo o Brasil que imagina na estreia da Copa, com Julio Cesar, Daniel Alves, Thiago Silva, David Luiz e Marcelo; Luiz Gustavo, Paulinho e Oscar; Hulk, Fred e Neymar. É o mesmo time que bateu a Espanha por 3 a 0 na final da Copa das Confederações, no Maracanã, em 2013.

Nas primeiras movimentações do Brasil em campo, Felipão orientou muito seus homens de marcação. Não quer que nada dê errado dia 12. Ele sabe que a primeira partida é sempre a mais tensa de uma Copa. Sabe também que a vitória praticamente encaminhará a seleção para o primeiro lugar do Grupo A. Um tropeço na estreia, no entanto, teria o poder de reduzir consideravelmente a confiança para os jogos seguintes contra México e Camarões e colocar em xeque uma classificação. Tudo o que ele não quer.

No começo do coletivo, Felipão fez Neymar se aproximar de Marcelo pela esquerda, juntou um pouco mais Oscar e Paulinho pelo meio (mas o trabalho foi feito em campo reduzido) e mandou Daniel Alves tabelar com Hulk pela direita. Embora Hulk tenha guardado posição, Neymar flutuou mais no meio.

No trabalho da tarde, os jogadores suaram na caixa de areia montada atrás do campo anexo ao principal, bem perto da cerca que separava torcedores do condomínio Comary da Granja. O grupo também ‘brincou’ de futevôlei, uma prática pouco comum na Europa, onde a maioria joga. Neymar parecia ser o mais entusiasmado. Foi o último a deixar o espaço, já num começo de noite fria em Teresópolis. Antes disso, porém, o craque repetiu o gesto de Julio Cesar e atendeu alguns garotos do condomínio com autógrafos e fotos.

Mas foi o goleiro que quebrou o protocolo do até então inexistente contato dos jogadores com a torcida. O goleiro chegou a pular a cerca que separa o condomínio da Granja para melhor atender os especiais e felizes torcedores. Havia crianças e adultos. Julio motivou os colegas a dar os primeiros autógrafos do Brasil na Copa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.