José Patrício/Estadão
José Patrício/Estadão

Felipão tem total confiança no grupo que escolheu

Cada dia que passa, treinador está mais seguro de que montou um grupo forte para a Copa das Confederações

MATEUS SILVA ALVES - Enviado Especial, O Estado de S.Paulo

25 de junho de 2013 | 07h14

BELO HORIZONTE - Com toda certeza, não foram poucos os torcedores brasileiros que levaram as mãos à cabeça quando Dante se colocou na lateral do gramado da Fonte Nova para substituir David Luiz no primeiro tempo do jogo contra a Itália. Ainda pouco conhecido no Brasil, o jogador do Bayern de Munique é visto com desconfiança por muita gente, mas não por Luiz Felipe Scolari. O treinador confia bastante no zagueiro baiano, assim como confia cegamente nos demais reservas da seleção brasileira. Ele está a cada dia que passa mais seguro de que montou um grupo forte para a Copa das Confederações.

“O Dante é um grande jogador, quando entra no time, entra com desenvoltura. E isso é o normal para qualquer grande jogador.” Foram essas as palavras que Felipão usou para deixar claro que não ficou nem um pouco surpreso com a boa atuação do zagueiro contra os italianos.

Os elogios para Dante são uma prova da confiança que o técnico tem em seus reservas, mas não a única. Uma outra foi dada antes da partida de sábado. O técnico reuniu seus comandados para anunciar que havia desistido da ideia de tirar Daniel Alves e Thiago Silva do jogo por eles terem chegado à terceira rodada do torneio com um cartão amarelo – caso recebessem o amarelo de novo contra a Itália, eles ficariam fora da semifinal.

“Eu disse aos meus jogadores que colocaria o Thiago e o Daniel mesmo com o cartão porque confiava que, se eles fossem suspensos, eu teria jogadores do mesmo nível para substituí-los”, afirmou o técnico.

Entre os 12 reservas da seleção brasileira na Copa das Confederações, há alguns que contam com especial apreço de Felipão. Pode-se dizer que são os “quase titulares”. Dante é um deles, evidentemente. Os outros são Lucas, Fernando, Hernanes e Jô. São eles os que entram com mais frequência durante as partidas e os que estão mais próximos de abocanhar uma vaga no time.

Um jogador que está crescendo bastante no conceito do treinador é o “caçula” do elenco, o atleticano Bernard. O atacante de 20 anos foi muito elogiado por Felipão na véspera do jogo contra a Itália e, no dia seguinte, recebeu do chefe a chance de entrar pela primeira vez em campo na Copa das Confederações. E não fez feio, tanto que participou da jogada do quarto gol do Brasil. Mas Felipão espera mais dele.

“Nós queríamos que ele usasse a jogada dele de sair da ponta esquerda em direção ao meio”, comentou o técnico. “O Fred estava tirando o zagueiro e na velocidade ele é espetacular. Saiu uma jogada ou duas, mas nós ainda precisamos melhorar isso”, completou Felipão, dando a entender que Bernard terá mais oportunidades até o fim do torneio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.