Nilton Fukuda/Estadão
Nilton Fukuda/Estadão

Felipão torce por protestos pacíficos, mas minimiza efeito para seleção

FORTALEZA - O técnico Luiz Felipe Scolari minimizou nesta terça-feira os efeitos que os seguidos protestos feitos nas ruas do País nos últimos dias, assim como outros já programados para acontecer, têm para a seleção brasileira. Embora entre os motes das diversas manifestações esteja a revolta com os gastos públicos revertidos para a realização da Copa do Mundo de 2014, o treinador não vê a possibilidade de os torcedores se voltarem contra o Brasil já a partir desta Copa das Confederações, na qual o time nacional jogará novamente nesta quarta, contra o México, às 16 horas, na Arena Castelão, em Fortaleza, pela segunda rodada do Grupo A da competição.

Robson Morelli - Enviado Especial, Agência Estado

18 de junho de 2013 | 16h33

"A seleção é do povo, nós somos do povo, e acho que estamos dando aos torcedores o que eles mais querem de nós na seleção: que o time vá crescendo, que vá empolgando e possa representar o Brasil. Esse é o nosso trabalho e é isso que estamos fazendo. Não temos interferência nas outras áreas", acredita Felipão, separando o lado esportivo da seleção do relacionado ao Brasil como organizador da Copa das Confederações e da Copa de 2014.

O técnico ainda foi político ao dizer que é "comum e normal numa democracia" que o governo ou os organizadores dos grandes eventos aceitem as manifestações. Ele disse torcer, porém, para que os protestos sejam pacíficos. E, disposto a novamente ter a seleção apoiada pela grande maioria dos brasileiros, o treinador admite que hoje vive um processo de reconquista dos torcedores, pois a seleção ainda luta para provar que merece a confiança e o apoio de tempos atrás.

"Nós estamos tentando nos aproximar para que realmente tenhamos um ambiente de seleção e uma relação muito estreita", disse, para mais tarde enfatizar: "Temos que compor uma situação em que todos fiquem razoavelmente satisfeitos. Não tem nenhuma seleção que abre treino o tempo todo, a nossa abre".

Já ao falar sobre o clima do jogo entre Brasil e México, o treinador disse esperar encontrar o mesmo "ambiente cordial e espetacular" entre os torcedores que viu na partida entre México e Portugal, na primeira fase da Copa de 2006, em Gelsenkirchen, na Alemanha, quando então comandava a seleção portuguesa.

Apesar disso, torcedores já programaram um protesto dentro da Arena Castelão nesta quarta, quando prometem cantar o Hino Nacional de costas para o campo de jogo e exibir cartazes contra a corrupção no Brasil. Antes disso, a partir das 10 horas da manhã, eles farão uma manifestação nas proximidades do estádio em um ato do movimento intitulado "Mais Pão, Menos Circo".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.