‘Felipão usa o que precisa de acordo com o jogo’, diz Bernard

Atacante de 21 anos vem desempenhando um papel importante na equipe, principalmente quando é preciso mudar a postura em campo

Paulo Favero - Enviado especial a Fortaleza, O Estado de S. Paulo

19 Junho 2014 | 05h00

Bernard não é só mais um xodó na seleção. O atacante de 21 anos vem desempenhando um papel importante na equipe, principalmente quando o técnico Luiz Felipe Scolari precisa mudar a postura em campo. Veloz e habilidoso, ele troca de posições com Neymar na frente e ajuda a infernizar a defesa adversária. 

Aos poucos, o menino de Belo Horizonte vai mostrando um futebol de gente grande e deixando claro que tem talento para brigar por uma vaga na equipe. Nesta entrevista ao Estado, ele fala a respeito da disputa do Mundial no Brasil e do título que ganhou: o jogador que tem “alegria nas pernas”.

Como você se sente em sua primeira Copa do Mundo?

Olha, estou bastante tranquilo e feliz. Nem dentro dos maiores sonhos esperava que pudesse estar aqui neste momento, mas sempre falo que os planos de Deus são diferentes dos nossos. Estou procurando trabalhar forte e tentando amadurecer a cada instante. Espero que isso possa servir como um ótimo aprendizado – e é lógico que quero a felicidade maior, que é ser campeão do mundo, nosso maior objetivo.

Você está tendo mais chances do que imaginava neste início de Mundial, disputando vaga com jogadores mais experientes?

O Felipão usa aquilo que ele necessita dentro da partida, seja eu ou qualquer outro jogador. Estou bastante feliz com as oportunidades que estão aparecendo, venho trabalhando para isso e, graças a Deus, elas vêm aparecendo. Espero que possa retribuir a confiança que não só ele, mas todos estão depositando em mim.

Quando falam que você tem alegria nas pernas, isso o enche de moral?

Fico bastante feliz, ainda mais um elogio desses vindo de um técnico de seleção brasileira. Isso é uma felicidade maior ainda para mim e espero que possa retribuir a confiança. Sei que preciso continuar trabalhando forte, não só dentro dos jogos, mas também nos nossos treinamentos.

Você vem entrando muito bem nas partidas. O que faz para entrar ligado e ciente do que precisa executar em campo?

É preciso muita concentração. Também deixo na mão de Deus, pois sei que o que tiver de acontecer vai acontecer. Sei da responsabilidade que é vestir a camisa da seleção brasileira, e tenho de estar focado. É muito importante jogar uma partida de Copa do Mundo, então estou bastante concentrado em todos os instantes para que não haja erro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.