Felipe afirma que Corinthians é melhor que o Flamengo

Goleiro considera vitória sobre os cariocas uma tarefa mais fácil que o triunfo contra o Figueirense

Fábio Hecico, Estadão

29 de outubro de 2007 | 18h47

O goleiro Felipe garantiu nesta segunda-feira estar medindo as palavras para não entrar em conflito com os companheiros de Corinthians. Dias atrás levou bronca do capitão Betão por estar criticando demais alguns jogadores ou setor do time. Mas ao comparar o grupo de atletas com o do Flamengo, adversário desta quarta-feira, no Maracanã, pelo Campeonato Brasileiro, acabou dando uma resposta provocativa, para desespero do técnico Nelsinho Baptista que vem exigindo, com freqüência, que todos evitem discurso de euforia.  "Time por time, grupo por grupo, o Corinthians é melhor. Jogo aqui e sempre vou apostar no meu clube", afirmou o camisa 1. "E o Flamengo não teve a metade dos problemas existentes aqui. Agora estamos nos arrumando. Confio na gente." Felipe, um pouco rouco pelos gritos e pela comemoração no domingo (2 a 1 no Figueirense) estava num dia inspirado. E se traiu mais uma vez ao falar sobre matemática. "Não temos de ficar fazendo contas, é sempre pensar no próximo rival", observou, para depois tropeçar nas palavras. "Se somarmos quatro pontos nos próximos dois jogos (domingo o adversário será o Atlético-PR), será o ideal", observou.  "Faltam cinco jogos, e embolamos, com outras quatro, cinco equipes ali (tabela de classificação). E nas duas próximas rodadas vão acontecer confrontos diretos. O mais importante é fazer nosso papel. Depois, os outros resultados vão nos ajudar", espera o goleiro corintiano. Empolgado pelo triunfo por 2 a 1 sobre os catarinenses, Felipe parecia ter abandonado o discurso de pés no chão, mesmo com o time ainda na zona de rebaixamento. Para ele, o duelo com os cariocas será mais fácil do que o de domingo. "Eles vêm para cima com tudo e abre espaços nos contra-ataques", acredita. "Contra o São Paulo, o Cruzeiro e o próprio Santos foi assim. Com o Flamengo não será diferente. Vão pressionar bastante, mas darão espaço para a gente, bem diferente do Figueirense, que jogou fechado atrás", enfatizou.  Diante dos seis primeiros colocados, em 10 jogos até agora, o Corinthians somou muitos pontos. Foram quatro contra São Paulo e Santos, três diante do Cruzeiro e do Grêmio e um com o próprio Flamengo. E perdeu as duas para o Palmeiras.  "É mais fácil jogar com time grande do que com quem está lá embaixo. Sempre no clássico, temos mais tranqüilidade do que contra o Figueirense, por exemplo", disse. "Os grandes te respeitam, o time de menor expressão quer sempre aparecer, mostrar valor e por isso surgem enormes dificuldades contra os times teoricamente de nome menor", avaliou, com certa lógica.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.