Felipe assume falha no gol e não pára de provocar o rival Bahia

Goleiro pediu desculpas pelo erro na primeira derrota do Corinthians na Série B; time continua na liderança

Marcel Rizzo - Jornal da Tarde,

20 de julho de 2008 | 09h19

Os jogadores do Bahia comemoram em dobro a vitória, no Pacaembu. Primeiro porque tiraram a invencibilidade do Corinthians e depois por baterem em Felipe, goleiro rival que desdenhou dos baianos ao falar que os odiava e que nunca perdeu para eles quando atuava no Vitória. Veja também: Felipe leva frango e Corinthians perde a primeira na Série B Resultados e classificação da Série B   Rogério: 'Dá nojo falar o nome do goleiro do Corinthians' Mano diz que Felipe não é criança para levar bronca "Eu prefiro nem falar o nome do goleiro deles [Felipe]. Tenho nojo dele", disse o zagueiro Rogério. Ele disse que estava ainda mais feliz porque no gol do Bahia houve falha do goleiro corintiano. Felipe não fugiu da discussão e continuou provocador, como sempre. "Eu continuo não gostando do Bahia. E podem falar o que quiser, mas quem continua na liderança é o Corinthians. E eles estão atrás na tabela, bem atrás". O camisa 1 admitiu que falhou no lance da falta cobrada por Elias. A bola foi direto para o gol, enquanto o arqueiro imaginou que ela seria cruzada. Mano Menezes contou que havia alertado Felipe sobre o número 10 do rival. "Eu falhei, sim. Quis adivinhar e me dei mal. Por isso que quando tomei o gol já pedi desculpa aos meus companheiros, na hora. Depois teve um lance igual, a bola foi cruzada e eu consegui interceptar", disse o goleiro. Para Elias, autor do gol do Bahia, a falha de Felipe não ficou tão clara assim dentro de campo. "Acho que foi mais mérito meu, mesmo. Eu vi que ele estava se posicionando mais perto da pequena área e arrisquei. Deu certo". Mesmo com a derrota, o goleiro Felipe não acha que o torcedor tem que se preocupar na Série B. "Se fosse o último jogo e a derrota nos tirasse o acesso, tudo bem reclamar. Estamos no caminho certo do acesso".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.