Cesar Greco/Agência Palmeiras
Cesar Greco/Agência Palmeiras

Felipe Melo lamenta empate com o Flamengo: 'Gosto de derrota'

Palmeiras saiu na frente do líder do campeonato, mas adversário igualou o marcador logo no começo do segundo tempo

Estadão Conteúdo

14 Junho 2018 | 07h34

O volante Felipe Melo lamentou o empate com o Flamengo e as chances desperdiçadas pelo ataque do Palmeiras, na noite desta quarta-feira. As duas equipes ficaram no 1 a 1, no Allianz Parque, na última rodada antes da parada do Brasileirão para a disputa da Copa do Mundo da Rússia.

+ Leia mais notícias sobre o Palmeiras

+ Confira a tabela de classificação do Campeonato Brasileiro

+ Com confusão e seis expulsos no fim, Palmeiras e Flamengo empatam

Com o apoio da torcida, o Palmeiras saiu na frente diante do líder do campeonato. E, na sequência, criou oportunidades para aumentar a vantagem. Sem converter suas chances, acabou cedendo o empate no início do segundo tempo, em São Paulo.

"Fica um gosto de derrota porque tivemos 'n' ocasiões de matar o jogo. É a mística do futebol: quem não faz, leva. Infelizmente, aconteceu", disse o jogador, ao citar o segundo empate seguido do Palmeiras no Brasileirão. Na rodada do fim de semana, a equipe paulista chegou a abrir 2 a 0 no placar, mas cedeu o 2 a 2 no marcador.

"Essa parada vai ser muito importante para trabalhar muito para quando voltar, voltar bem e não cometer os erros que a gente vem cometendo", reforçou o volante.

Questionado sobre a confusão generalizada nos minutos finais contra o Flamengo, Melo se esquivou. "Foi um clássico do futebol. Essa situação das expulsões é complicado eu falar, não vi, cheguei para apaziguar", disse o volante, ao evitar comentar também a arbitragem. "A última vez que falei, peguei não sei quantos jogos [de suspensão]."

No episódio, comissão técnica e reservas dos dois times entraram em campo após Dudu ser derrubado por Cuellár. Após empurrões dos dois lados, foram expulsos os palmeirenses Dudu, Jailson e Luan (este no banco de reservas); e os flamenguistas Cuellar, Jonas e Henrique Dourado (no banco).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.