Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Felipe Melo lamenta pênalti perdido: 'Minha família veio ver o jogo'

Jogador do Palmeiras pede para Dudu abrir mão de cobrança para tentar homenagear com gol parentes que vieram do Rio

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

22 de março de 2018 | 11h00

O volante Felipe Melo viveu momentos inusitados pelo Palmeiras nesta quarta-feira, contra o Novorizontino, no Allianz Parque, pelo Campeonato Paulista. No segundo tempo, quando o time já ganhava por 4 a 0, o jogador que tem como função principal ajudar na marcação, pediu permissão para cobrar um pênalti pois queria dedicar o gol aos familiares que vieram do Rio de Janeiro para vê-lo em campo.

+ Roger critica regulamento do Estadual

+ Prass: 'Pode ser meu último ano aqui'

Como Dudu é o capitão e o cobrador oficial, Felipe Melo falou com ele e disse que gostaria de cobrar. "Minha família, minha avó vieram lá do Rio para ver o jogo. Estavam no estádio. Então, eu quis fazer um gol para eles", afirmou. O camisa 30 pegou a bola para bater, partiu lentamente para a cobrança e chutou por cima. Logo depois, porém, o Palmeiras chegou ao quinto gol com Papagaio e fechou o placar.

Na zona mista, Felipe Melo disse ter o costume de bater pênaltis no mesmo ritual feito contra o Novorizontino, com passos lentos para a bola, para esperar a definição do goleiro. "Minha forma de bater pênalti é dessa maneira. Infelizmente bati embaixo da bola, e ela subiu. Mas foi ao meu ver uma das minhas melhores partidas no ano, pelo tanto que ajudei o ataque", afirmou.

Na sequência do pênalti, o goleiro Oliveira se dirigiu a Felipe Melo para conversar. Depois do jogo os dois negaram ter existido uma discussão pelo lance e segundo o palmeirense, o adversário lhe questionou o motivo da demora em chegar até a bola para bater. 

O atacante Dudu afirmou não ter se importado em abrir mão de efetuar a cobrança. "O placar estava elástico, e ele pediu pra bater. Quem me conhece sabe que não sou egoísta, eu aceitei. Infelizmente ele errou. Mas esse jogo já passou", comentou o capitão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.