Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Felipe Melo pede valorização: 'Colocamos mais de 30 mil no estádio'

Jogador do Palmeiras afirma que time recebe críticas injustas, mas aponta presença da torcida como exemplo de superação

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

12 de abril de 2018 | 11h00

O volante Felipe Melo, do Palmeiras, afirmou que para o time não continuar se lamentando pela perda do título do Campeonato Paulista, deve procurar valorizar a campanha na Copa Libertadores. Mesmo depois de deixar escapar a vitória sobre o Boca Juniors nos acréscimos, nesta quarta-feira, o jogador elogiou a liderança no grupo e a reação demonstrada tanto pelo elenco, como pela torcida.

+ Roger Machado elogia recuperação emocional do time

+ Palmeiras cede empate no fim contra o Boca Juniors

A equipe entrou em campo três dias depois de perder o título do Campeonato Paulista, para o Corinthians, nos pênaltis, e segundo o jogador, o Palmeiras demonstrou qualidade. "Não é fácil vir de uma derrota na final e enfrentar o Boca Juniors, que é um time 'cascudo' e muito bom", afirmou. "É na hora da derrota que vamos crescer. Para nós, não tem tempo de se abalar. Provamos que soubemos absorver", completou.

Felipe Melo disse que não comentaria a polêmica de interferência externa na decisão do Estadual e afirmou que a campanha do time precisa ser elogiada. O Palmeiras termina o primeiro turno da fase de grupos como líder, com sete pontos, ante quatro do Boca Juniors, e continua invicto. O próximo compromisso será daqui duas semanas, novamente contra a equipe argentina, mas em Buenos Aires.

"Temos que olhar de outra forma. O Palmeiras está em primeiro lugar do grupo, colocou mais de 30 mil pessoas depois de derrota no clássico. É difícil uma torcida comparecer assim depois da perda de um título", comentou. O próximo compromisso do time será na segunda-feira, contra o Botafogo, no Rio, pela estreia no Campeonato Brasileiro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.