Felipe: "Ninguém acreditava no Flamengo"

Tanto jogadores quanto membros da comissão técnica do Flamengo tiveram discurso semelhante após a conquista do título da Taça Guanabara: a vitória sobre o Fluminense, por 3 a 2, no Maracanã, foi incontestável. Em grande parte da partida, o Rubro-Negro foi melhor e não merecia perder. De acordo com o meia Felipe, novamente destaque da equipe, seria uma "injustiça" o clube da Gávea não ser campeão. "Foi uma vitória maravilhosa. Mostramos um futebol de qualidade e agora é só comemorar", disse o jogador, que conquistou seu primeiro título com a camisa do Flamengo. "Todos duvidavam da gente no início do Campeonato Carioca. É a coroação de um trabalho sério e de muita dedicação." Para finalizar, Felipe destacou a união dos atletas na conquista de hoje. Para o técnico Abel Braga, a garra mais uma vez prevaleceu. "Demonstramos muita alma. Sofremos gols, mas sempre buscamos a vitória", afirmou. O treinador, porém, fez questão de ressaltar que a equipe teve falhas em alguns momentos. "Nem tudo é felicidade. Teve bronca no vestiário. Não podemos errar assim numa final", afirmou, referindo-se ao gol por entre as pernas de Júlio César e o gol contra do zagueiro Henrique. Aliás, Henrique não se abateu com o lance que deu o empate por 2 a 2 ao Fluminense. "Agradeço ao Abel pela confiança em mim. Falhei, mas o time mostrou garra e se recuperou no jogo", disse o jogador. "Vamos entrar com tudo no segundo turno para ser campeões de novo." O lateral-esquerdo Roger, que já havia sido o carrasco do Fluminense na partida da fase de classificação marcando os dois gols da virada, voltou a decidir o clássico. "Um dia você está por cima e outro por baixo. Fui feliz de novo em marcar o gol para vencermos", disse. O jogador teve que conviver com as vaias da torcida no início do Carioca, mas acabou mudando o quadro ao longo da competição. O título do Flamengo marcou a união da juventude com a experiência. Se, por um lado, estava o meia Zinho, 38 anos, veterano no futebol, o Rubro-Negro também contou com um jovem jogador que vem se destacando no time: o volante Ibson, de 22 anos. Apesar da grande diferença de idade entre eles, ambos foram fundamentais na partida. "É muita emoção. Conquistei meu primeiro título entre os profissionais. É um sonho que se realiza", afirmou Ibson. Zinho, por sua vez, destacou que o clássico entre Flamengo e Fluminense foi novamente emocionante e que é uma honra vestir a camisa do clube que o revelou. "Agora vamos trabalhar para vencer o segundo turno também."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.