Felipe reforça insatisfação, mas nega ter abandonado o time

Goleiro do Corinthians dá sua versão e afirma que o 'seria anormal se ficasse feliz de não ir para o jogo'

Marcel Rizzo, Jornal da Tarde

04 de março de 2008 | 22h23

O goleiro Felipe não gostou nada de não ter jogado no domingo pelo Corinthians no clássico contra o Palmeiras (derrota por 1 a 0). Ele não esconde isso e reforçou a insatisfação na entrevista coletiva no treino da tarde do Corinthians no Parque São Jorge, nesta terça-feira. Mas faz questão de deixar claro, também, que isso faz parte do trabalho. E negou que tivesse abandonado o time.Veja também: Mano Menezes diz que Corinthians está no caminho certo "Ninguém gosta de ficar fora do jogo, mas tem que entender que, naquele momento, eu não iria jogar. Estranho seria se eu saísse de campo sorrindo. Fiquei zangado, seria anormal se ficasse feliz de não ir para o jogo. Fiquei até a oração [no vestiário] e vi parte do jogo, aí pra vender notícia cada um fala o que quer. Eu vi parte do jogo com o pessoal, mas se tratando do Corinthians, o pessoal quer vender notícia...", afirma o goleiro.Felipe foi avisado de que não iria jogar ainda na concentração e garante que correu tudo bem. "Eu sabia de tudo no hotel, conversei com o Júlio [César, goleiro reserva], e já sabia que não jogaria. Tem que aquele 'tchan' [impacto], mas todo mundo me cumprimentou, foi tudo bem". Ele critica o fato de ter sido comentado que teria reclamado do afastamento. "Isso é que nem o lance do Náutico [derrota por 1 a 0 no ano passado, pelo Brasileirão], falaram que eu quase matei o Aílton [meio-campista, dispensado pelo clube], falaram isso, mas eu não falei nada, se tivesse falado o treinador nunca iria admitir".Por causa das reclamações, Felipe sabe que terá de encarar uma conversa com o técnico Mano Menezes - em entrevista à TV Estadão, Mano disse que o goleiro cometeu um deslize - e diz não temer a possível bronca. Nem que precisa saber antecipadamente se vai ou não jogar. "O treinador não tem que falar isso na segunda-feira. Falaram muita besteira, que eu não sabia se jogaria no domingo. Se na quinta eu não estiver no coletivo, sei que não consegueria jogar".DORES NÃO SÃO PROBLEMAEle reforça ainda que estar machucado, porém, não o impede de jogar. É por isso que ele ficou insatisfeito por ter sido barrado no domingo. "As dores nunca me impediram de jogar... Tem dedo quebrado, sempre com uma dorzinha a mais. Foi uma lesão pouco grave, quequase rompeu alguns ligamentos do ombro, mas pela recuperação, bem adiantada, eu já treinava com bola em uma semana, a recuperação é boa."Para o jogo de domingo, contra o Guaratinguetá, o goleiro corintiano acredita que terá condições. E que não terá problemas com ninguém. "Estão me passando confriança, até o final da semana estarei bem melhor, com certeza. Este ano estou mais tranquilo, gesticulando menos até. O clube já tem problemas, não preciso ficar arrumando mais problemas, gesticulando, reclamando...", emenda.PROJEÇÃO PARA O FUTURO Felipe faz as contas do que acredita ser necessário para o Corinthians se classificar às semifinais do Paulistão. "Nesses 21 pontos que restam, precisamos de quatro vitórias, para ficar bem mais proximo da classificação. A melhor maneira é pensar um jogo de cada vez."Com a confusão envolvendo seu afastamento no time no domingo, Felipe entende que pode até perder a posição de titular do time, mas que não teme o fato. "A oportunidadfe aparece e tem que aproveitar, não é demérito nenhum ficar na reserva, vou permanecer se isso acontecer. Goleiro demorar para jogar, tem continuar treinando e provar ao treinador para segurar a posição", encerra.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.