Feliz após vitória, Valdivia reclama da violência

'O treinador do Grêmio mandou me quebrar', disse o chileno ao deixar o gramado do Palestra Itália

07 de outubro de 2007 | 01h10

O chileno Valdivia ficou feliz pela vitória do Palmeiras por 2 a 0, mas saiu de campo na bronca e reclamando da violência do Grêmio, neste sábado. "No primeiro tempo, o treinador deles mandou me quebrar", afirmou o jogador, que deu trabalho à defesa adversária e ajudou o time na marcação, na etapa final. Veja também: Classificação Calendário / Resultados Crônica do jogo: Palmeiras 2 x 0 Grêmio Imagem de agressão pode comprometer Gavilán, do Grêmio O zagueiro Dininho minimizou as declarações do companheiro. "Não foi um jogo violento. O Palmeiras é um time grande e temos de jogar sempre assim, como time grande", defendeu. "O mais importante é que derrotamos um adversário que tem o mesmo objetivo que o nosso, e está na briga direta por uma vaga na Libertadores", comentou o zagueiro. Mais do que a vitória, o centroavante Rodrigão festejou muito o primeiro gol marcado com a camisa palmeirense. "Tive vários problemas, desde o ano passado, mas superei tudo com a ajuda dos companheiros", disse Rodrigão. "Em todos os clubes que passei, fiz gols, e eu tinha certeza que no Palmeiras não seria diferente", comentou o jogador. Reforços Gilberto Cipullo, vice-presidente de Futebol do Palmeiras, confirmou que o clube tinha interesse no meia-atacante Thiago Neves, que renovou contrato com o Fluminense esta semana. "É um jogador que vários clubes estavam interessados, mas estamos observando outros atacantes, que é a posição mais carente do nosso elenco", comentou o dirigente.

Tudo o que sabemos sobre:
Palmeiras

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.