Feliz na África do Sul, Joel Santana defende 'vuvuzelas'

Treinador carioca espera uma partida bonita contra o Brasil na semifinal da Copa das Confederações.

Rodrigo Durão Coelho, BBC

23 de junho de 2009 | 18h48

Contra a maré das críticas contra a "vuvuzela", a corneta usada pela torcida sul-africana em estádios de futebol, o técnico da África do Sul, o brasileiro Joel Santana, defendeu o seu uso. "Não incomoda, é a cultura. Cada povo se comporta de uma maneira. Vão se incomodar com uma cornetinha? Deixa tocar... É bonito, é legal", disse ele à BBC Brasil, nesta terça-feira. Desde o início da Copa das Confederações, vêm se avolumando as críticas contra a vuvuzela, considerada irritante por vários estrangeiros que assistem aos jogos na África do Sul. Santana diz acreditar que as críticas ocorrem porque "o europeu é cheio de disse-me-disse, fica logo incomodadinho". "E tem uma pequeninha que é pior ainda", lembra. "Eu incentivo." Para o jogo contra o Brasil, nesta quinta-feira, em Johanesburgo, o treinador carioca deu um conselho para os que se incomodam com o som das vuvuzelas. "Podem preparar o algodão para os ouvidos", disse.

África do Sul x Brasil

Santana diz esperar um grande jogo contra o time de Dunga, partida que vale vaga na final da competição. "Deve ser uma partida altamente técnica, harmoniosa. O Bafana Bafana (apelido da seleção sul-africana) está surpreendendo com a maneira de jogar, tentando enfrentar todos de igual para igual, jogar bonito", disse. "Nosso objetivo nesse jogo é ganhar experiência contra uma seleção de Kaká, Robinho e outros grandes nomes." "Pra nós vai ser bom e acho que temos condições de fazer um grande jogo, onde vamos tentar suportar a pressão brasileira. Sem medo." "Espero que a Bafana Bafana faça uma grande atuação para ficar marcada também junto ao povo brasileiro, para quando o Brasil não estiver jogando, eles possam torcer um pouco também para nós." Vida na ÁfricaHá 13 meses no cargo, Joel se diz feliz com a vida que leva em Johanesburgo. "Tenho o maior respeito por esse país, que me acolheu, deu a mão e trata bem", diz ele. "Nosso povo gosta de futebol, acredita na seleção, que estava desacreditada quando assumi." Longe da mulher, que mora no Brasil, e da filha, que estuda em Londres, Santana diz que não sai muito de casa. Ele mora perto de um shopping center onde costuma passear. E diz que não se preocupa com a violência, apesar de a África do Sul ter índices de criminalidade considerados bastante altos. "A questão da segurança não preocupa porque aqui sou conhecido por todo mundo", diz.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.