Feliz no Rio, Seedorf se diz curioso para pegar Fla

Casado com uma brasileira, o holandês Seedorf nunca escondeu que, por aqui, torcia para o Flamengo. Neste domingo, ele viverá a experiência de enfrentar pela primeira vez a equipe rubro-negra com a camisa do Botafogo. Não será o seu primeiro clássico no Rio, uma vez que já enfrentou o Vasco, mas nem por isso a curiosidade é pequena.

AE, Agência Estado

24 de agosto de 2012 | 19h38

"É o primeiro Botafogo e Flamengo para mim, então estou curioso para saber como será. São dois times que estão com um bom ambiente, e esperamos um jogo equilibrado", disse Seedorf, nesta sexta-feira.

Prestes a experimentar o gosto de enfrentar um clube em que ele sonhava jogar, Seedorf garante estar se divertindo no futebol brasileiro. "É uma mentalidade diferente. Não estou olhando as dificuldades, mas a oportunidade de aprender coisas novas. São outros campos, outros jogadores, outra maneira de ver o futebol, também. Mas estou me divertindo com a nova experiência. Estou feliz em todos os aspectos, dentro e fora de campo", revelou.

Ao entrar em campo contra o Palmeiras, quarta-feira, Seedorf, de 36 anos, completou seu nono jogo pelo Botafogo em apenas 32 dias. O Flamengo, fora da Sul-Americana, teve o meio de semana para descansar. Mas o holandês não acha que o aspecto físico possa ser decisivo.

"Vantagem física pode ser, mas acabando o jogo como acabamos na última quarta-feira (vitória de 3 a 1 sobre o Palmeiras, pela Sul-Americana) nos deu muita moral, apesar da eliminação. Isso nos deu força para enfrentar o Flamengo, que também está em bom momento. Vamos ver como o aspecto psicológico influenciará os dois lados. Fisicamente, no final a diferença será pouca", garantiu o apoiador, que já fez três gols em oito jogos pelo Botafogo.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolBotafogoBrasileirão

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.